A construção do autoconhecimento e seus efeitos

0
Quando um paciente chega à psicoterapia, na maior parte dos casos está buscando ajuda para algo que não vai bem em sua vida. Seja...

Meu terapeuta chorou, e agora?

0
Gosto de pensar que estar na posição de terapeuta é estar em uma posição de privilégio, mas um...

História de um casamento: a dor de se relacionar

0
Alerta: Esse texto contém spoilers. No final de 2019 foi lançado o filme “História de...

Não acaba aqui: Encerrando a Terapia de Aceitação e Compromisso

1
Sunrise scene Nada é para sempre. Pessoas vão e vem; amores se iniciam, mudam e, algumas vezes, acabam;...

O que seria esse tal de “Hexaflex”? Entendendo o conceito de Flexibilidade Psicológica em...

0
O termo Flexibilidade Psicológica é amplamente discutido na Terapia de Aceitação e Compromisso (ACT). Através desse texto discuto sobre como esse processo (leia-se Habilidade) pode ser desenvolvido e aprimorado no processo terapêutico fundamentado sobre as premissas da ACT.

Utilizando a Terapia de Aceitação e Compromisso (ACT) para a Promoção da Redução de...

0
“Repare, nem toda lágrima é de dor, nem toda graça é sorriso. Nem toda curva da vida tem uma placa de aviso, nem...

Vulnerabilidade: O desafio de ser ser humano atualmente

0
A história de vida de cada animal e o desenvolvimento das espécies colocam cada ser vivo em alguma condição de incapacidade,...

Par de dois – um texto para terapeutas

1
p permanece todas as mãos e gestos flexíveis pele da linguagem...

As palavras – uma breve reflexão sobre o discurso

0
As palavras são, segundo a Análise do Comportamento, estímulos. Estímulo é uma alteração do ambiente que afeta a probabilidade de uma resposta. Ela pode...

Estou fazendo ACT (?)

0
“Se você se perceber tentando mudar o que um cliente pensa ao invés de tentar libertar sua vida, pare: você não está fazendo ACT.”...

Mas para usar ACT eu preciso aprender RFT?

0
Talvez essa pergunta já tenha passado pela sua cabeça, ou você já tenha conversado com algum colega/amigo/aluno que fez essa pergunta ao começar a...

Tornando-se um psicoterapeuta comportamental contextual

2
Com alguma frequência alunos ou amigos me procuram para discutir sobre aspectos pertinentes à formação de um terapeuta comportamental, em especial nas abordagens comportamentais...

Nunca sozinho

1
Gostaria de começar esse texto deixando um questionamento ao leitor: qual a sua intenção em clicar no link que dá acesso a este texto e...

Metas de final de ano: fábricas de frustrações

0
Me lembro que quando eu era adolescente, eu fazia um ritual todo dia 31 de dezembro. Ficava sozinha em meu quarto, em um momento...

Quando nosso cliente morre

0
Escrevo este post no metrô, traçando notas iniciais em um caderno. Acabo de saber da notícia da morte de uma cliente querida, que chamarei...

O valor da dor

2
Do mesmo modo que te abriste à alegria abre-te agora ao sofrimento que é fruto dela e seu avesso ardente. Do mesmo modo que da alegria foste ao fundo e te...

Terapia de Aceitação e Compromisso (ACT): uma abordagem baseada em processos

0
  Desde sua criação, na década de 50 do século passado, o DSM (Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders) já passou por várias modificações,...

A polêmica da “cura gay”: o que a ACT tem a dizer?

0
"Os psicólogos não exercerão qualquer ação que favoreça a patologização de comportamentos ou práticas homoeróticas, nem adotarão ação coercitiva tendente a orientar homossexuais para...

Curso “FAP e ACT na Psicoterapia Analítico-Comportamental junto à Crianças e Adolescentes e Pais”

Venha conferir o curso que o Instituto Continuum está oferecendo: FAP e ACT na Psicoterapia Analítico-Comportamental junto à Crianças e Adolescentes e Pais com Fátima Cristina...

Frutos diferentes de uma mesma árvore: a ACT como proposta coerente com o Behaviorismo...

0
Lembro-me de quando comecei a estudar “essa tal de” Terapia de Aceitação e Compromisso. Eu, que venho de uma educação bastante Skinneriana, me assustei...

A engenheira comportamental da ACT-Matrix

0
Se você é um leitor frequente do Comporte-se, provavelmente já leu algo sobre a Teoria das Molduras Relacionais (Relational Frame Theory – RFT). É...

Comportamentos Suicidas – resumo de um capítulo

0
A partir dessa visão o suicídio (a morte, quando alcançada) passa a ser na verdade a consequência de um comportamento. Por isso, todos os comportamentos que tem como possível consequência a morte, podem ser chamados de comportamentos suicidas. Dirigir alcoolizado ou sobre efeito de outras drogas; abandonar o tratamento de uma doença crônica (como diabetes, por exemplo), até mesmo atravessar uma rua fora da faixa de pedestres pode então ser chamado de comportamento suicida: comportamentos que aumentam a probabilidade de morte.

Aceitação e a janela da vida

Aceitação é uma palavra cheia de significados. Para a Terapia de Aceitação e Compromisso (ACT) é vivenciar plenamente uma experiência e escolher agir na...

Esquiva experiencial, pesquisa aplicada e as “grandes pequenas mentiras”

0
Seja bem-vindo de volta! Digo de antemão que essa coluna contato abordará alguns tópicos: a esquiva experiencial, algumas pesquisas que têm sido realizadas utilizando...

O sentir e a tristeza, um olhar analítico-comportamental

1
Para a Análise do Comportamento, as pessoas não nascem com sentimentos. Aprende-se a sentir através da comunidade verbal – que nomeia as condições em...

SIGA-NOS

98,670FãsCurtir
21,292SeguidoresSeguir
2,152SeguidoresSeguir

MAIS RECENTES

MAIS LIDAS

A contingência

9
Alguns leitores do Comporte-se têm me enviado emails pedindo que eu escrevesse um texto sobre um dos conceitos mais utilizados da Análise do Comportamento,...