terça-feira, novembro 13, 2018

Gibson Weydmann

1 POSTS 0 COMENTÁRIOS
Psicólogo Clínico, graduado pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS). Mestre em Psicologia pelo Laboratório de Psicologia Experimental, Neurociências e Comportamento (LPNeC-UFRGS). Aluno de Especialização em Terapias Comportamentais Contextuais. Com formação e supervisão em Terapia Analítico-Comportamental e Psicoterapia Analítica Funcional. Em conjunto com outros profissionais, atua como organizador de eventos de Análise do Comportamento no Rio Grande do Sul.

SIGA-NOS

101,257FãsCurtir
10,157SeguidoresSeguir
2,072SeguidoresSeguir

MAIS RECENTES

Curso: Neurociências e Relações Comportamentais

Curso Neurociências e Relações Comportamentais O crescimento desenfreado de problemas comportamentais e sociais exige dos profissionais e pesquisadores um maior e melhor entendimento acerca das...

MAIS LIDAS

As fases do luto: uma interpretação analítico-comportamental

Muitos provavelmente já ouviram falar sobre as 5 fases do luto: negação, raiva, barganha (ou negociação), depressão e aceitação. Elas foram primeiramente propostas por Elisabeth Kübler-Ross, psiquiatra suíça que trabalhou diretamente com pacientes terminais. [...] Elisabeth nunca foi analista do comportamento e sua área de estudo nunca foi o Behaviorismo Radical. Mas será que podemos pensar em uma interpretação analítico-comportamental para as fases do luto? Como podemos analisar o comportamento de perda (seja de alguém, de um objeto, de um emprego, de um carro, ou até mesmo do que gostaríamos de viver e não será possível)? Um conceito muito importante para entendermos o que ocorre com nosso comportamento quando perdemos alguém ou algo é o de extinção operante.

A contingência