terça-feira, novembro 13, 2018

Florença Justino

7 POSTS 0 COMENTÁRIOS
Psicóloga graduada pela Universidade Federal de São Carlos. Mestre em Psicologia pela Universidade Federal de São Carlos. Especialista em Psicologia Clínica Comportamental pelo Instituto de Terapia por Contingências de Reforçamento (ITCR-Campinas). Psicoterapeuta de adultos e crianças. Supervisora clínica e professora do Curso de Especialização em TCR.

SIGA-NOS

101,257FãsCurtir
10,157SeguidoresSeguir
2,072SeguidoresSeguir

MAIS RECENTES

Curso: Neurociências e Relações Comportamentais

Curso Neurociências e Relações Comportamentais O crescimento desenfreado de problemas comportamentais e sociais exige dos profissionais e pesquisadores um maior e melhor entendimento acerca das...

MAIS LIDAS

As fases do luto: uma interpretação analítico-comportamental

Muitos provavelmente já ouviram falar sobre as 5 fases do luto: negação, raiva, barganha (ou negociação), depressão e aceitação. Elas foram primeiramente propostas por Elisabeth Kübler-Ross, psiquiatra suíça que trabalhou diretamente com pacientes terminais. [...] Elisabeth nunca foi analista do comportamento e sua área de estudo nunca foi o Behaviorismo Radical. Mas será que podemos pensar em uma interpretação analítico-comportamental para as fases do luto? Como podemos analisar o comportamento de perda (seja de alguém, de um objeto, de um emprego, de um carro, ou até mesmo do que gostaríamos de viver e não será possível)? Um conceito muito importante para entendermos o que ocorre com nosso comportamento quando perdemos alguém ou algo é o de extinção operante.

A contingência