segunda-feira, novembro 12, 2018

Dr. Fabián Olaz

Dr. Fabián Olaz
1 POSTS 0 COMENTÁRIOS
Doutor em Psicologia. Professor Adjunto de Clínica Psicológica e Psicoterapias, Investigador e Diretor do Laboratório de Comportamento Interpessoal na Faculdade de Psicologia da Universidade Nacional de Córdoba. Membro da ACBS, e representante na Argentina da Asociación Psicológica Iberoamericana de Clínica y de la Salud. Affiliated Scientist do Center for the Science of Social Connection – University of Washington Department of Psychology. Psicoterapeuta ACT e FAP, trabalha especialmente como terapeuta, supervisor e diretor clínico do Centro Integral de Psicoterapias Contextuais em Córdoba, Argentina. Diretor da Especialização em Psicoterapias Comportamentais Contextuais do Centro de Estudos da Família e do Indivíduo (CEFI, POA). Praticante de Aikido, gosta da musica e dos amigos. Midade brasileiro, adora as caipirinhas e compartilhar encontros.

SIGA-NOS

101,256FãsCurtir
10,157SeguidoresSeguir
2,072SeguidoresSeguir

MAIS RECENTES

Curso: Neurociências e Relações Comportamentais

Curso Neurociências e Relações Comportamentais O crescimento desenfreado de problemas comportamentais e sociais exige dos profissionais e pesquisadores um maior e melhor entendimento acerca das...

MAIS LIDAS

As fases do luto: uma interpretação analítico-comportamental

Muitos provavelmente já ouviram falar sobre as 5 fases do luto: negação, raiva, barganha (ou negociação), depressão e aceitação. Elas foram primeiramente propostas por Elisabeth Kübler-Ross, psiquiatra suíça que trabalhou diretamente com pacientes terminais. [...] Elisabeth nunca foi analista do comportamento e sua área de estudo nunca foi o Behaviorismo Radical. Mas será que podemos pensar em uma interpretação analítico-comportamental para as fases do luto? Como podemos analisar o comportamento de perda (seja de alguém, de um objeto, de um emprego, de um carro, ou até mesmo do que gostaríamos de viver e não será possível)? Um conceito muito importante para entendermos o que ocorre com nosso comportamento quando perdemos alguém ou algo é o de extinção operante.

A contingência