Uma série de pensamentos e sentimentos acontece quando um cliente chega à sua primeira consulta psicológica. Ele percorreu um longo caminho até chegar à decisão de procurar a terapia, marcar a consulta e até o dia do primeiro encontro. Por outro lado, o terapeuta também está envolto em seus pensamentos e sentimentos diante do atendimento a um novo cliente: Por que escolheu a mim diante da oferta de tantos profissionais? Qual foi o motivo que trouxe essa pessoa à terapia?

Não podemos nos esquecer de que naquele dia e hora marcada duas histórias de vida se encontram, duas histórias de reforçamento e punição, contingências extremamente diferentes ou inquietantemente semelhantes. Segundo Banaco (1993), o terapeuta precisa estar atento aos próprios encobertos, e se achar que o que sente é algo muito forte, isso pode significar que algo está errado, e que suas emoções e sua história de vida podem concorrer com o fato de ter comportamentos adequados para seguir o atendimento.

Percebo na minha prática clínica que a despeito do arcabouço teórico do terapeuta, a empatia é um fator muito importante para que esses “mundos” se encontrem e possam estabelecer um processo terapêutico reforçador. Ou seja, o terapeuta deve ser uma audiência não punitiva para o cliente, como já nos falava Skinner (1994). Um caminho para isso é o terapeuta desenvolver em seu repertório pessoal a empatia. A empatia, de acordo com Del Prette e Del Prette (2001), é mesclada de três componentes:

  1. O cognitivo: responsável por compreender a perspectiva e emoções do outro;
  2. O afetivo: que diz respeito a capacidade de vivenciar de forma controlada a emoção do outro (compaixão);
  3. O comportamental: que é a ação, ou seja, se achegar da perspectiva do outro e demonstrar afeição para com os seus sentimentos e emoções.

Isso nos leva a compreender, então, que a empatia é a capacidade de percepção, sensibilização e experienciação para com os sentimentos e emoções positivas e negativas de outros indivíduos (Del Prette e Del Prette, 2001). Portanto considero essa característica fator imprescindível para um processo terapêutico eficaz.

A Psicoterapia Analítica Funcional (FAP), de Kohlenberg e Tsai (1991/2001), compartilha dessas mesmas opiniões a respeito do vínculo e os autores argumentam que a boa relação terapêutica é aquela capaz de simular, na terapia, os problemas do cotidiano do cliente, o que permite lidar com eles em um contexto mais afetivo e reforçador.

Segundo Kolenberg e Tsai (2001) é necessário emergir na clínica o que é chamado de Comportamentos Clinicamente Relevantes (CCR). Para isso ocorrer o cliente deve se sentir acolhido e respeitado em sua demanda. Ninguém se abrirá e nem se manterá em uma relação terapêutica se não se sentir confortável com o terapeuta. Portanto uma relação empática aliada a uma comunicação sincera, propostas pela FAP, são fatores que podem contribuir para uma relação terapêutica empática e eficiente.

REFERÊNCIAS

Banaco, R. A. (1993). O impacto do atendimento sobre a pessoa do terapeuta. Temas em Psicologia, vol. 1 (2), pp. 71-80.

Del Prette, A., e Del Prette, Z. A. P. (2001). Psicologia das relações interpessoais: Vivencias para o trabalho em grupo. Petrópolis: Vozes.

Skinner, B.F. (1994). Ciência e comportamento humano. Traduzido por J.C. Todorov e R. Azzi. São Paulo: Martins Fontes. 9ª ed. (trabalho original publicado em 1953).

Kohlenberg, R.; Tsai, M. (2001). Psicoterapia Analítica Funcional. Santo André: ESETec. Editores Associados.

 

 

COMENTE VIA FACEBOOK

6 COMENTÁRIOS

  1. Muito bom Fernanda. Sem duvida que ter essa consciência do entrelacamentos das duas histórias de vida ( terapeuta e cliente) sao essenciais para o bom desempenho de uma terapia, especialmente a consciência do terapeuta que pode ter identifacacoes com a história de vida do cliente.

  2. Excelente texto. Considero a empatia como característica relevante para uma boa terapia. É importante lembrar que ela não pode ser arbitrária, tão pouco usada como “instrumento”, mas sim como atitude genuína na relação terapêutica. No livro da FAP, por exemplo, cita na regra 3 (reforçar CRBs) ampliar boas ações para o cotidiano, isso em prol de fortalecer repertórios de forçamento natural.
    Parabéns Fernanda. Abraços.

    Instagram: @cafeecomportamento

    • Obrigada Rafael! Realmente essa característica deve fazer parte do repertório pessoal do terapeuta. E para aqueles que querem aprimorar ou tem déficit desse repertório, um bom recurso é o Treino de suas Habilidades Sociais.
      Obrigada também por contribuir com referências da literatura! Abraços

    • Obrigada Rafael! Realmente essa característica deve fazer parte do repertório pessoal do terapeuta. E para aqueles que querem aprimorar ou tem déficit desse repertório, um bom recurso é o Treino de suas Habilidades Sociais.
      Obrigada também por contribuir com referências da literatura! Abraços

  3. Obrigada Rafael! Realmente essa característica deve fazer parte do repertório pessoal do terapeuta. E para aqueles que querem aprimorar ou tem déficit desse repertório, um bom recurso é o Treino de suas Habilidades Sociais.
    Obrigada também por contribuir com referências da literatura! Abraços

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.