Você já conhece a Terapia Comportamental Abrangente (TCA)?

0

Você já conhece a Terapia Comportamental Abrangente (TCA)? Ela é um modelo terapêutico proposto pelo analista do comportamento Nicolau Chaud, da cidade de Goiânia, capital de Goiás. O manuscrito que você lê a seguir, escrito pelo próprio Nicolau Chaud, é sua primeira descrição formal. Nele são apresentados os pressupostos centrais de como, na visão do autor, deve ser o trabalho de um Terapeuta Comportamental Abrangente. Conforme destaca o artigo, a proposta foi construída “a partir da modelagem de práticas sensíveis aos resultados” observados em seus 10 anos de experiência clínica somados a seus estudos sobre uma variedade de temas relacionados ao comportamento humano e saúde, como o Behaviorismo skinneriano, controle aversivo, relações sociais, psicologia evolucionista, entre outros.

 

Confira o texto e deixe um comentário nos dizendo sua opinião:

UM PRIMEIRO OLHAR SOBRE A TERAPIA COMPORTAMENTAL ABRANGENTE

Por Nicolau Chaud

A Análise Comportamental Clínica é uma vertente aplicada da Análise do Comportamento. Engloba modelos de psicoterapia que se baseiam nos pressupostos do Behaviorismo Radical e norteiam sua formulação de caso e suas intervenções na ciência da Análise do Comportamento. Seu escopo é suficientemente amplo para abarcar modelos terapêuticos bastante distintos entre si. Como evidência disso, tem-se observado o surgimento de numerosas variantes: Psicoterapia Analítica Funcional – FAP (Kohlenberg & Tsai, 2001), Terapia de Aceitação e Compromisso – ACT (Hayes, Strosahl & Wilson, 1999), Terapia Comportamental Dialética – DBT (Linehan, 2010), Ativação Comportamental – BA (Dimidjian, Martell, Addis & Herman-Dunn, 2009), Psicoterapia Comportamental Pragmática – PCP (Medeiros, 2012), Terapia Molar e de Autoconhecimento – TMA (Marçal & Dutra, 2010, citado por Costa, 2011), entre outras.

No Brasil, a maioria dos analistas do comportamento trabalha fora dos limites circunscritos de um modelo. Agregam aspectos pontuais de diversos modelos existentes à sua prática, aplicam intervenções com fundamentação comportamental baseadas em evidência, ou simplesmente norteiam-se por princípios derivados da ciência básica. Sem muitas das operações motivacionais que direcionam o processo de padronização e validação de psicoterapias nos Estados Unidos (Abreu e Abreu, 2017), a forma como nós brasileiros conduzimos o processo terapêutico tende a imprimir aspectos de nossa cultura: a mescla de práticas de origens diversas, liberdade, improviso, e o apreço por uma relação calorosa entre terapeuta e cliente.

Ainda que a atuação fora de um modelo terapêutico delimitado não constitua um problema em si, a carência de diretrizes básicas para a conduta do profissional pode dar margem a práticas clínicas questionáveis. Ligado a isso, um padrão comum entre analistas do comportamento é a generalização indevida de repertórios oriundos da pesquisa experimental para o contexto clínico (Leonardi & Meyers, 2016). Terapeutas analítico-comportamentais descobrem, com a experiência, que estratégias úteis para produção de conhecimento científico não necessariamente são vantajosas para a promoção do bem-estar psicológico de seus clientes.

Neste contexto surge a Terapia Comportamental Abrangente (TCA). Em essência, é uma proposta terapêutica construída a partir da modelagem de práticas terapêuticas sensíveis aos resultados clínicos observados por seus proponentes e praticantes, priorizando o cliente em detrimento do método. Muitas de suas características já constituem a prática de alguns terapeutas individuais e são comuns a outras modalidades clínicas, mas na TCA são levadas as últimas consequências e sistematizadas enquanto diretrizes de atuação. Algumas das principais diretrizes são sintetizadas a seguir:

O bem-estar das pessoas está intimamente ligado à qualidade de suas relações interpessoais. Acredita-se que, a despeito das particularidades das queixas trazidas pelo cliente, todas as demandas são, essencialmente, sociais. A validação, o reconhecimento e o suporte social caracterizam os principais reforçadores positivos que organizam os repertórios de indivíduos, ao passo que a rejeição social define o evento aversivo responsável por suprimir condutas e gerar padrões de esquiva. Pessoas felizes experienciam relações de intimidade nas quais são aceitas e acolhidas por agirem como são. A ausência de relações desse tipo está associada a relatos de tristeza, desânimo e depressão. Paralelamente, a experiência de relações opressoras e a predominância de padrões de evitação social produzem sentimentos de ansiedade, angústia e medo. O elo entre a qualidade das relações sociais e a saúde psicológica de indivíduos está firmemente estabelecido (Kawachi & Berkman, 2001).

Os repertórios relevantes para obtenção de reforçadores positivos e eliminação de eventos aversivos são verbais. Tais repertórios são classificados em dois tipos: habilidades sociais e habilidades cognitivas. Habilidades sociais englobam classes de comportamento cuja função é a modificação do comportamento de outras pessoas, estando associadas à manutenção das relações sociais (Caballo, 2010). Habilidades cognitivas são aquelas capazes de regular o comportamento do próprio indivíduo, e incluem a tomada de decisões, a autoinstrução (Mas, 2002), a resolução de problemas (Nezu & Nezu, 2002) e o autoconhecimento (de Rose, Bezerra & Lazarin, 2012). A distinção é meramente contextual, ambos sendo repertórios construídos na interação com o ambiente social. O objetivo fundamental da psicoterapia é o de modelar habilidades sociais e cognitivas do cliente. Considera-se que mudanças em padrões comportamentais que não passem pela aprendizagem de novos repertórios podem ter caráter temporário, circunstancial e espúrio.

Visão construtiva e recombinativa do comportamento verbal. A terapia nunca irá visar diretamente à eliminação de comportamentos problemáticos, privilegiando a construção de repertórios alternativos e mais vantajosos ao cliente (Goldiamond, 1974). Paralelamente, diante da variedade de repertórios verbais aprendidos, a emissão de respostas discretas não envolve a mera opção por uma ou outra forma aprendida, mas uma síntese recombinada de várias formas disponíveis em seu repertório (Epstein, 2015). A partir dessa visão, quanto mais rico o repertório verbal de um indivíduo, mais capaz será de emitir respostas verbais efetivas em contextos variados. Por essas razões, o enriquecimento do repertório verbal é tido como um valor tanto para o crescimento do cliente quanto para o desenvolvimento do terapeuta.

Objetivos terapêuticos abrangentes. Os conflitos e o sofrimento na vida do cliente muitas vezes resultam de um padrão comportamental problemático ou deficitário, assim como da ausência de repertórios mais apropriados de enfrentamento. Em análises cuidadosas, descobre-se que tais padrões são gerais a várias situações de sua vida, não só aos problemas originalmente trazidos na queixa (Marçal, 2005). Os objetivos terapêuticos são estabelecidos visando à aquisição de repertórios verbais abrangentes, potencialmente úteis para uma ampla gama de cenários e adversidades na vida do cliente. Tal visão se opõe à terapia como voltada para a resolução de problemas pontuais. Direcionar a terapia dessa forma permite maior generalidade de seus resultados e diversifica as possibilidades de intervenção, uma vez que a ação terapêutica não se restringe ao foco da queixa.

Visão suplementar do processo terapêutico. O ambiente natural dispõe de contingências necessárias e suficientes para aquisição de qualquer repertório verbal sobre o qual exista interesse terapêutico. É impossível e desnecessário tentar reconstruir, dentro do consultório, a complexidade e o poder das contingências naturais . A função da relação terapêutica passa a ser a de criar as contingências necessárias para oferecer ao cliente condições mínimas de operar nas contingências naturais relevantes. O contato adequadamente direcionado com essas contingências é o real promotor das mudanças terapêuticas.

Controle aversivo e regras restritivas como principais empecilhos para o crescimento pessoal. Se o ambiente natural dispõe dos reforçadores importantes para o bem-estar do indivíduo e de contingências capazes de promover seu crescimento, caberia a pergunta: por que isso nem sempre ocorre? Regras proibitivas, esquivas geradas por contingências não mais presentes, e efeitos generalizados de punição fazem com que indivíduos não entrem em contato com contingências importantes para seu desenvolvimento pessoal e para seu bem-estar (Meyer, 2005; Sidman, 1989/2011). Por esse motivo, a redução do controle aversivo condicionado e do controle por regras proibitivas sobre a vida de indivíduos é vista como um valor. Quanto mais fraco esse controle, mais livre e ativamente as pessoas se comportam em contingências de reforçamento positivo. Este valor estende-se também à pessoa do terapeuta, uma vez que tais controles podem inibir práticas potencialmente produtivas e travar o processo terapêutico.

Liberdade interventiva e estrutural do processo terapêutico. Dentro dos limites éticos, na TCA tudo é permitido – desde que o terapeuta tenha clareza dos porquês de suas ações, e esses porquês estejam alinhados a uma formulação funcional do caso e aos objetivos da terapia. Não há regras proibitivas para o terapeuta, assim como não há regras a serem impostas para o cliente. A interação entre terapeuta e cliente é, em sua maior parte, natural. O processo terapêutico é fluido, sem delimitações claras de suas etapas. A estruturação do processo e das intervenções é uma opção e não uma regra, e deve ser adotada somente quando vantajosa ao caso. Ainda que, do ponto de vista teórico, a TCA seja completamente compatível com uma visão de homem analítico-comportamental, do ponto de vista técnico é eclética e flexível.

Transparência ativa. Na TCA, o terapeuta é encorajado a expressar suas impressões, hipóteses, dúvidas e formulações sobre o caso a todo o momento para o cliente. Isto situa o cliente no processo, coloca-o como guia e protagonista do trabalho terapêutico, tornando-o agente ativo de mudança e promovendo autoconhecimento. Em uma interação pautada na transparência ativa, formulação de caso e intervenção acontecem concomitantemente. A adoção da transparência ativa não implica em falar sem filtros, mas em estar sob constante controle da pergunta “será que seria útil compartilhar isso que estou pensando com o cliente?”. De modo geral, encoraja-se que o cliente tenha o mesmo tipo de postura no setting clínico assim como no ambiente natural, rompendo padrões de esquiva, fortalecendo a assertividade e tornando suas relações mais verdadeiras e gratificantes. O “falar sobre” de forma espontânea e genuína é tido como a principal ferramenta de mudança tanto do terapeuta quanto do cliente.

Incentivo ao desenvolvimento da pessoa do terapeuta. Aquilo que o terapeuta faz durante uma sessão é o resultado combinado de muitos repertórios, alguns deles desenvolvidos em contexto profissional, outros em suas vivências pessoais. A interação do terapeuta com o cliente é apenas um fragmento da forma como esse primeiro se relaciona com as pessoas e com o mundo. Nessa perspectiva, qualquer esforço de crescimento pessoal do terapeuta resultará também em melhores possibilidades de atuação clínica. Isso proporciona uma visão mais abrangente sobre aquilo que é chamado de habilidades terapêuticas. Recomenda-se que o terapeuta invista no seu crescimento através de estudo formal diversificado, exponha-se a comunidades verbais variadas, e enfrente ativamente suas dificuldades pessoais e conflitos interpessoais.

É correto afirmar que a Terapia Comportamental Abrangente é mais uma postura e menos um método clínico. Assim como não esperamos que o cliente se desenvolva apenas fornecendo-lhe instruções sobre como deve agir, sabemos que um bom terapeuta não surge do seguimento de regras pré-definidas por um modelo terapêutico fechado. A proposta da TCA delineia esforços e contingências úteis para o desenvolvimento de repertórios terapêuticos produtivos. Não coincidentemente, tais esforços em muito se assemelham àqueles que têm se mostrado efetivos para pessoas que buscam o crescimento pessoal e a resolução de suas demandas em terapia.

Criação, desenvolvimento e lançamento da TCA

A Terapia Comportamental Abrangente não é uma proposta terapêutica acabada. Têm se construído através do diálogo entre pessoas interessadas em pensar criticamente aspectos diversos do processo terapêutico. A proposta tem soado atrativa para terapeutas que já trabalham de modo mais flexível, e desconfortável para aqueles habituados com a rigidez característica da comunidade behaviorista. O seu motor tem sido, no entanto, a qualidade, extensão e agilidade dos resultados clínicos obtidos por aqueles que vêm se propondo a experimentar essa visão abrangente do processo terapêutico.

No presente momento, buscamos formas de expandir esse diálogo e atingir um público de interesse. O resultado final desse esforço será um livro que sintetizará essa discussão e descreverá com mais detalhes essa proposta. A partir daí, abrir-se-á espaço para que sejam conduzidos estudos sistematizados sobre a eficácia e validade empírica de algumas de suas premissas e diretrizes.

Sendo uma apresentação breve, inicial e inacabada da proposta, sabemos que pode gerar dúvidas, críticas e sugestões. Queremos abrir canais de contato para dialogar e crescer com essa troca. Contate-nos em: https://ask.fm/terapiacomportamentalabrangente

Referências

Abreu, P. R., & Abreu, J. H. S. S. (2017). La cuarta generación de terapias conductuales. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva, 3, 190-211.

Caballo, V. E. (2010). Manual de avaliação e treinamento das habilidades sociais. São Paulo: Santos.

Costa, N. (2011). O surgimento de diferentes denominações para a Terapia Comportamental no Brasil. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva, 13(2), 46-57.

de Rose, J. C. C., Bezerra, M. S. L., & Lazarin, T. (2012). Consciência e autoconhecimento. Em M. M. C.  Hübner & M. B. Moreira (Orgs.), Temas clássicos da Psicologia sob a ótica da Análise do Comportamento (pp. 188-207). Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

Dimidjian, S.; Martell, C. R.; Addis, M. E.; & Herman-Dunn, R. (2009). Ativação comportamental para depressão. In. D. H. Barlow. (Ed.), Manual clínico dos transtornos psicológicos: tratamento passo a passo. (pp. 329-365). Porto Alegre: Artmed.

Epstein, R. (2015). Of course animals are creative: insights from generativity theory. Em A. B. Kaufman & J.C. Kaufman (Orgs.). Animal creativity and innovation (pp. 375-390). London: Academic.

Goldiamond, I. (1974). Toward a constructional approach to social problems: ethical and constitutional issues raised by applied behavior analysis. Behaviorism, 2(1), 1-84.

Hayes, S. C., Strosahl, K., & Wilson, K. G. (1999). Acceptance and Commitment Therapy: An experiential approach to behavior change. New York: Guilford Press.

Kohlenberg, R. J., & Tsai, M. (2001). Psicoterapia Analítica Funcional. Santo André, SP: ESETEc (Obra publicada originalmente em 1991).

Kawachi, I. & Berkman, L. F. (2001). Social ties and mental health. Journal of Urban Health: Bulletin of the New York Academy of Medicine, 78(3), 458-467.

Leonardi, J. L., & Meyers, S. B. Evidências de eficácia e o excesso de confiança translacional da Análise do Comportamento Clínica. Temas em Psicologia, 24(4), 1465-1477.

Linehan, M. M. (2010). Terapia cognitivo-comportamental para o transtorno da personalidade borderline. Porto Alegre: Artmed.

Marçal, J. V. S. (2005). Estabelecimento de objetivos na prática clínica: Quais caminhos seguir? Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva, 7(2), 231-245.

Mas, J. S. (2002). O treinamento em auto-instruções. Em V. E. Caballo (Org.). Manual de técnicas de terapia e modificação do comportamento (pp. 539-556). 2ª. edição. São Paulo: Santos Livraria Editora.

Medeiros, C. A. (2012). O que é Psicoterapia Comportamental Pragmática? Retirado em 9 de março de 2018 de https://www.comportese.com/2012/09/o-que-e-psicoterapia-comportamental-pragmatica

Meyer, S. B. (2005). Regras e auto-regras no laboratório e na clínica. Em J. Abreu-Rodrigues, & Ribeiro, M. R. (Orgs). Análise do comportamento: pesquisa, teoria e aplicação (pp. 211-227). Porto Alegre: Artes Médicas.

Nezu, A. M., & Nezu, C. M. (2002). Treinamento em solução de problemas. Em V. E. Caballo (Org.). Manual de técnicas de terapia e modificação do comportamento (pp. 471-493). 2ª. edição. São Paulo: Santos Livraria Editora.

Sidman, M. (2011). Coerção e suas implicações. Campinas: Editora Livro Pleno (Obra publicada originalmente em 1989).

COMENTE VIA FACEBOOK

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.