Nota de falecimento Margarida Hofmann Windholz

0
NOTA DE FALECIMENTO MARGARIDA HOFMANN WINDHOLZ

O Comporte-se comunica, com pesar, o falecimento da professora Margarida Hofmann Windholz, que faleceu no último dia 08 de janeiro, com 91 anos. A Dra. Margarida Hoffman Windholz,mais conhecida como Maggi, é professora aposentada do Departamento de Psicologia Experimental da USP. Ministrava cursos de Psicologia Experimental Aplicada: Observação do Comportamento Humano; e de Modificação do Comportamento Humano. Dra. Margarida H. Windholz…

O PIONEIRISMO

Maggie integrou a primeira turma de formandos do Curso de Psicologia da USP (1958-1961), na então Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras (FFCL). Em um de seus depoimentos a colaboradora e eterna aluna de Keller relata: ”Tive a grande sorte, durante o curso, de ter Prof. Fred S. Keller, em 1961, como professor. Ele foi a segunda pessoa fundamental na minha vida acadêmica e profissional. Era meu “pai psicológico”, porque meu trabalho foi se inclinando mais, a partir daí, inclusive pelo incentivo que recebi desse professor, para a análise comportamental”.

Ela também foi pioneira em assentar as bases, motivar e difundir o estudo sistemático da observação comportamental, no Brasil. Assim como, na aplicação da Análise Comportamental em educação especial, com seu alentado volume “Passo a Passo: seu Caminho – Guia Curricular para o Ensino de Habilidades Básicas”, resultado de duas décadas de aplicação prática, em duas escolas em que atuou: (1) a de orientação infanto-juvenil do CIAM – Centro Israelita de Assistência ao Menor e (2) a Carminha – Associação para Reabilitação do Excepcional – CARE, fundada por ela e Celma Maria Vieira Cenamo, em 1972, que ensinava uma nova maneira de atuar com crianças e jovens com desenvolvimento atípico. Na primeira, aplicava alguns princípios da Análise Experimental do Comportamento, já a segunda estava toda programada segundo os mesmos princípios.

Também foi a primeira pessoa a documentar o uso da AC com autistas no Brasil, em 1974-75. É seu o 1º caso de autista descrito na literatura brasileira, em capítulo que escreveu em Salomão Schwartzman (1995). Um dos raros estudos longitudinais, acompanhando, por 20 anos, o tratamento de um autista.

AS MULTIFACETAS DE MAGGIE

Mas não foi apenas no âmbito profissional que Maggie se destacou, nas palavras de seu filho Davi Windholz: ”Acho que a palavra chave de sua vida seria Chalutziut, pionerismo. Como Midas, tudo o que minha mãe tocou se transformou em ouro. Mas, ao contrário de Midas, ouro humano. A capacidade de realizar algo fora da norma e do conformismo, dando início a um novo movimento, a uma ação renovadora. Assim como imigrante, adolescente, jovem, esposa, mãe e profissional”.

Deixamos como sugestão de leitura, uma jornada pela vida de Maggie (http://abpmc.org.br/personagem.php?id=11 e http://www.usp.br/…/index.php/RBTCC/article/viewFile/959/506) para entrar em contato com o legado que ela nos deixou por sua irreverência e enquanto analista do comportamento.

Para a equipe do Comporte-se, Maggie representa uma guerreira: madura em suas medidas e impávida em suas ações. Seu legado deixa ao menos uma certeza, o eco de seus ensinamentos que ressoará para sempre sua presença nos eternos aprendizes que deixou.

COMENTE VIA FACEBOOK

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.