Entrevista com Lincoln Poubel: Treinamento de Habilidades Psicológicas

0

Recentemente os professores Lincoln Poubel e Pedro Rodrigues lançaram o Treinamento de Habilidades Psicológicas, um modelo terapêutico e de treinamento embasado nas Terapias Comportamentais e Cognitivo-Comportamentais. A proposta chamou a atenção dos analistas do comportamento que, através de comentários e mensagens, enviaram dúvidas sobre o THP à nossa fanpage e a nosso site. A partir do material recebido, elaboramos uma entrevista sobre o assunto que você confere logo abaixo! Caso você, leitor, tenha outras perguntas sobre o método, compartilhe-as nos comentários.

C: Para começar, o que acham de se apresentarem? Quem são Lincoln Poubel e Pedro Rodrigues?

L: Somos psicólogos, professores universitários, sócios no Instituto Cognitivo e Comportamental de Psicologia (ICCP, em Niterói e Região dos Lagos – RJ), que é credenciado pelo CRP-RJ para Capacitação de Psicólogos e que se tornou referência, há quase 10 anos, no Estado do Rio de Janeiro em atendimento psicoterápico e Formação de Terapeutas nas modalidades da Análise Comportamental Clínica e Terapia Cognitivo-Comportamental.

Estamos há, aproximadamente, 10 anos divulgando a Análise do Comportamento no Estado do Rio de Janeiro, uma praça historicamente carente de capacitações e profissionais em Psicologia Cientificamente Orientada. Fundamos o Núcleo de Análise do Comportamento do Rio de Janeiro (NAC-Rio), um departamento de pesquisas do ICCP, para desenvolver e divulgar a Análise do Comportamento e Aplicações.

Lincoln Poubel adentrou a área comportamental via Formação com as Professoras Doutoras Eliane Falcone (UERJ) e Helene Shinohara (PUC-RJ) há 18 anos, no último ano de sua graduação. Lá conheceu a Análise do Comportamento e aprofundou seus estudos ao longo desses anos, desde o Mestrado em Psicologia, pesquisas realizadas pelas Universidades onde trabalha e independentes no seu Instituto.

Conhecendo os parâmetros para uma ciência psicológica, logo lhe ficou claro que a Terapia Cognitiva (que por seu limitado potencial de mudança integrou as intervenções comportamentais) se valia de uma teoria epistemologicamente falha, mas que era bastante avançada em estratégias de questionamento e reflexões revisoras de regras. Além disso, mesmo não orientados analítico-comportamentalmente, os cognitivo-comportamentalistas cunharam uma diversidade de técnicas efetivamente comportamentais.

“mesmo não orientados analítico-comportamentalmente, os cognitivo-comportamentalistas cunharam uma diversidade de técnicas efetivamente comportamentais”

 

Acompanhando as críticas e rivalidades de ambos os lados, ficou claro que os mentalismos da Teoria Cognitiva havia afastado os Analistas dos Comportamentos, mas que a Tecnologia Cognitivo-Comportamental poderia ser facilmente integrável, com a releitura científica necessária. Assim também deveria acontecer com as demais abordagens psicológicas que evoluíram em intervenções, sem parâmetros explicativos consistentes. Juntamente com o Pedro, formado no ICCP, Mestre em Psicologia e também professor universitário, realizam eventos no Rio de Janeiro, uma praça historicamente carente de AC’s, difundindo-a entre os TCC’s de forma integrável para abolir aversões condicionadas, trazendo-lhes o que lhes falta para aprimorarem suas atuações e darem consistência às suas explicações.

C:  O que é o Treinamento de Habilidades Psicológicas (THP)?

Terapia/Treinamento de Habilidades Psicológicas (THP) é uma sistematização, sob orientação analítico-comportamental, de diversas técnicas e intervenções clínicas – já existentes e outras adaptadas e exclusivas – em função do desenvolvimento de repertórios saudáveis que favorecem a reabilitação de transtornos psicológicos ou para desenvolvimento pessoal.

C: Qual é o modelo nuclear da THP?

L: A THP apresenta uma equação psicológica formada por 10 habilidades psicológicas (HP’s) (autoconhecimento, autorregulação emocional, raciocínio realisticamente otimista, autoestima, resolutividade e enfrentamento, autocontrole, sociabilidade, imunidade social, sensibilidade social e hedonismo responsável) que distribuídas pelas 6 dimensões significativas da vida (pessoal, interpessoal, ocupacional, recreativa, material e existencial) se dividem na produção dos 5P’s da felicidade (positividade, paz, prazer, pertencimento e propósitos).

C:  Por que se trata de uma proposta terapêutica e de treinamento?

L: O objetivo terapêutico do Sistema THP é proporcionar um conjunto de 10 Atitudes e Características Comportamentais (HP’s) que configuram a Saúde Psicológica das Pessoas e que, portanto, desenvolvidas com pacientes cujas regras distorcidas, déficit e excessos caracterizam sua psicopatologia ou transtorno, as substituem, servindo a um avançado processo de mudança e reabilitação clínica.

Mas para aqueles que não alcançaram critérios de enquadramento em uma categoria diagnóstica, mas que experimentam diferentes tipos e graus de insatisfação existencial, esse programa propõe devolver aos Psicólogos a área de Desenvolvimento Pessoal apropriada pelos coaches, que nem possuem nossa longa e consistente formação. Assim, apresentamos também as 6 Dimensões Significativas da Vida e seus sub critérios, para identificar que déficits em HP’s tornam frustrante alguma (ou mais) dessas áreas na vida do cliente e proporcionar-lhe um consistente e eficaz “processo de coaching” personalizado para sua realidade.

C: Na apresentação do THP vocês dizem ter reunido conhecimento da Análise do Comportamento e da Terapia Cognitivo-Comportamental. Sendo as duas abordagens diferentes e independentes, isso não é problemático?

LDe forma geral, a Análise do Comportamento evoluiu muito em leis e princípios comportamentais, trazendo cientificidade para os fenômenos comportamentais. Como também, atualmente, temos terapêuticas de base analítico-comportamental muito eficazes. Enquanto que outras terapêuticas psicológicas se concentraram diretamente em desenvolver tecnologias para a mudança de comportamento. A Terapia Cognitiva, nesse caso, explica de forma mentalista as mudanças produzidas por suas técnicas, mas entendemos que o que ocorre são modificações no controle por regras. Porém, ainda assim, permaneceu uma lacuna em relação aos repertórios que o terapeuta precisava desenvolver com os seus clientes.

Então, o Programa THP não é uma nova abordagem e sim uma proposta de sistematizar critérios dentro de um movimento integrativo que engloba as leis do comportamento na explicação dos fenômenos comportamentais e do processo de desenvolvimento das Habilidades Psicológicas (HP’s), com a tecnologia que produz as mudanças clínicas (resgatando a base analítico-comportamental e revisando sob esses parâmetros) a cargo desses repertórios (HP’s), que tem por objetivo a saúde psicológica.

C: Na apresentação do Treinamento de Habilidades Psicológicas vocês dizem ter identificado uma lacuna na formação dos psicólogos no que diz respeito aos repertórios que precisavam desenvolver em seus clientes. Qual é esta lacuna?

L: Nesta perspectiva, considerando que uma pessoa só pode se comportar de acordo com o que sua história de aprendizagem proporcionou, o terapeuta é o profissional que vai “programar” ou “engenheirar” experiências de aprendizagem intra e extraconsultório para os repertórios não-aprendidos, de acordo com as demandas do cliente.

Atualmente, muitas técnicas terapêuticas são conhecidas e praticadas por sua eficácia e resultados. No entanto, um psicoterapeuta pode se fazer duas perguntas: 1- No caso clínico que atendo, quais são os repertórios que preciso colaborativamente desenvolver no meu cliente? 2- Afinal, quando aplico uma técnica ou conduzo um processo com ele, que repertório estou desenvolvendo? A THP tem o objetivo de sistematizar uma resposta a essas questões. Esses repertórios psicologicamente saudáveis são chamados de “Habilidades Psicológicas”.

Deve estar claro para os psicólogos e principalmente para a população, o que será claramente desenvolvido ao contratar os serviços desse profissional. O que estarão conosco desenvolvendo e como isso irá ser proporcionado para maior acessibilidade, “consumo” e engajamento nos processos que oferecemos. Esse é o propósito de uma proposta por parâmetros como é a THP.

C:. Como o THP foi construído?

L: Eu, Lincoln Poubel, ao longo da carreira clínica, quanto mais estudava para dar aulas nas Universidades em que trabalho e para ampliar meus recursos técnicos, percebi que eles de nada adiantariam se eu não soubesse exatamente o que desenvolver com aqueles clientes. Percebi que não bastava conhecer a tecnologia para tratar os transtornos e comecei a pensar: “Se esse cliente, nessas situações em que ele reage problematicamente ou foge/esquiva ou desampara, tivesse aprendido em sua vida outras atitudes que o ajudassem a lidar com elas, quais seriam?”. Nesse momento, tudo começou a fazer sentido para mim, eu precisava dominar todas as intervenções, mas colocá-las a favor de desenvolver características comportamentais saudáveis. E quais seriam elas? Daí para frente, meu trabalho passou a ser fazer uma “Ciência do Repertório Comportamental Saudável”. Em todos os livros que lia, categorizava as mentalidades e atuações mais eficazes para as diferentes situações de vida dos meus clientes e utilizava os recursos já conhecidos para desenvolvê-las. Desde então, temos elaborado, refinado e sistematizado intervenções de diversas áreas (terapias cognitivas, comportamentais, coaching etc.) no NAC-Rio. E não há porque sermos reacionários com essa inovação, as diferentes terapêuticas (FAP, ACT, DBT) foram assim construídas até serem apresentadas, reiteradamente aplicadas e testadas por diferentes profissionais para diversos públicos. A THP é mais um degrau dessa evolução.

C:  De que forma deve ser aplicado na clínica?

L: Todas as Habilidades Psicológicas serão desenvolvidas em Etapas do Processo de Mudança compostas por: 1- Autoconhecimento imediato e histórico contextual-funcional; 2- Psicoeducaçao; Estabelecimento da Motivação e Responsabilidade; 3- Reestruturação de Distorções e Mentoriação; 4- Atividades de Imersão nas HP’s; 5- Hierarquização Contextual Personalizada e Treinamento Dramatizado; 6- Exposição e Experienciação Imaginária e ao Vivo; 7- Feedback e Avaliação. Tudo acompanhado pelos critérios de um relacionamento interpessoal ético e de qualidade, que seja em si terapêutico e com os feedbacks sobre os comportamentos clinicamente relevantes da Psicoterapia Analítico-Funcional.

A decisão sobre por qual HP iniciar primeiro, ou conjunto delas em paralelo, dependerá das demandas de cada cliente ou área da vida mais comprometida e que precisará ser primeiramente impactada.

C: Que benefícios os participantes do curso sobre o THP poderão experimentar ao utilizarem as estratégias ensinadas?

L: Aqueles que aprenderem todas as estratégias de cada Etapa do Processo de Mudança e Desenvolvimento das HP’s experimentarão: uma aceleração na progressão dos seus clientes, maior segurança sobre o que irá trabalhar com ele, transmitindo-a ao cliente e reunirão em um único curso os mais importantes recursos das terapias baseadas em evidências. Tudo com as consistentes análises comportamentais necessárias a compreensão das HP’s e das intervenções.

COMENTE VIA FACEBOOK

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.