Comportamentos Suicidas – resumo de um capítulo

0

Livro – Suicídio: já parou para pensar?

Capítulo – Comportamentos Suicidas

Paula Cordeiro

Giovana Pagliari

A morte, na atual cultura, é apresentada de forma contraditória: evitada a qualquer custo por alguns, e procurada cada vez mais por outros.

Órgãos como a Organização Mundial da Saúde, Ministério da Saúde e mesmo a Organização das Nações Unidas, vem alertando sobre o aumento no número de suicídios nos últimos tempos. No Brasil, o suicídio é a segunda maior causa de morte de jovens (entre 15 e 29 anos), perdendo apenas para acidentes de trânsito.

Mitos em torno do assunto dificultam o acesso a informações e mesmo a prevenção de casos de suicídio. Para que isso cesse, se faz necessário a compreensão da mudança cultural possivelmente responsável por esse aumento. Para isso, o presente capítulo propõe essas discussões, para que seja possível entender que o suicídio propriamente dito, é um conjunto de comportamentos suicidas, e que como outros comportamentos devem ter suas funções analisadas, para que possam ser modificados.

O sistema capitalista, vigente a partir do século XIX, provocou mudanças estruturais. A doença e a improdutividade começaram a ser empecilhos para o desenvolvimento, e então abominados de forma radical. A medicina com sua revolução higienista impôs um distanciamento entre a vida e a morte, onde o morto passa a ser visto como um perigo, uma fonte de contaminação e doenças.

A diversificação dada a eventos como este pode ser notada da seguinte maneira: para a cultura ocidental, a morte é encarada como um evento triste, pois retira a possibilidade de qualquer contato com aquele que morreu. Assim, o suicídio é a ação voluntária que impossibilita a convivência, o contato com o outro. Para a pessoa que tem o comportamento suicida,  muitas vezes, esse é o objetivo: encerrar uma dor, fugir de qualquer possibilidade de contato. Para aqueles que ficam, o ato é considerado egoísta e muitas vezes covarde.

Os sentimentos que temos em decorrência de eventos da nossa vida não são inatos. Nos contextos familiares e culturais é estabelecido o histórico de aprendizagem individual, desde o nascimento. Guilhardi (2002) afirma que, a aprendizagem se dá por meio da comunidade verbal e social em que se está inserido, os pais, avós, professores, etc., ensinam membros (filhos, netos, alunos, etc.) a nomear manifestações corporais de acordo com sentimentos – alegria, tristeza, raiva, etc.

Com estas condições compreendidas conclui-se que contingências gratificantes produzirão sentimentos correspondentes (alegria, felicidade, realização, etc.), e contingências aversivas produzirão sentimentos desagradáveis (raiva, ansiedade, tristeza, culpa, etc.) (GUILHARDI, 2002)

Então, não há sentimento que possa ser classificado com bom ou ruim. Vendo-o como produto colateral das contingências de reforçamento, pode-se considerar que sentir é inevitável.

Há maneiras de facilitar a experiência de sensações desagradáveis relatadas pelo outro, uma delas é o desenvolvimento/emissão de comportamentos empáticos. A empatia é considerada uma habilidade de comunicação que ocorre em duas etapas de interação sendo: compreender e comunicar entendimento. (FALCONE, 1999)

Compreender consiste experienciar o que o outro está vivendo da seguinte forma: prestar atenção (com postura atenta a seus relatos, mostrar-se envolvido); ouvir de maneira sensível (dar ao outro a oportunidade de ser ouvido sem julgamentos). (FALCONE, 1999)

Em situações aversivas, como a de sofrimento, comportamentos de esquiva podem surgir como uma alternativa para “não viver” o sofrimento.

A ACT (Terapia de Aceitação e Compromisso) chama este evitar sensações, sentimentos e pensamentos de esquiva experiencial, e esta é a causa de problemas psicológicos. (SABAN, 2015)

A alternativa que se propõe é justamente viver a situação aversiva, de forma a não lutar contra ela, deixando que as sensações surjam e possam desaparecer naturalmente.

É importante que se sinta triste, bravo e ansioso em determinados momentos. Sentir, como já esclarecido anteriormente, é natural de acordo com as contingências apresentadas. Contudo, é apenas um sentimento, que como tantos outros produz sensações finitas, que não precisam ser fontes de eterno sofrimento ou de eterna fuga.

A esquiva aparece também em escritos como de Caruso (1984, apud Custodio, 2013) o homem tem procurado evitar a morte,“…para não ter que viver com a morte, preferimos reprimir a vida, limitá-la e restringi-la de múltiplas maneiras, dentro de nós e ao nosso redor” (p.283). Situações como esta também ficam evidentes na atualidade quando observamos o culto a juventude, a preservação do belo, com isso é natural que não se sinta a vontade diante da real finitude (CUSTODIO, 2013). A autora ainda propõe, assim como já exposto em Combinato e Queiroz (2006), que uma maneira de evitar o desconforto da decomposição, seria a cremação do cadáver.

A esquiva quando excessiva pode culminar no suicídio, caracterizando-o como o último nível de esquiva a ser concretizado.

Skinner, em 1953/2003 diz que um comportamento é a interação entre organismo e seu ambiente e que ele é selecionado (passa a fazer parte do repertório do indivíduo) quando tem uma função na vida daquele que se comporta.

A partir dessa visão o suicídio (a morte, quando alcançada) passa a ser na verdade a consequência de um comportamento. Por isso, todos os comportamentos que tem como possível consequência a morte, podem ser chamados de comportamentos suicidas. Dirigir alcoolizado ou sobre efeito de outras drogas; abandonar o tratamento de uma doença crônica (como diabetes, por exemplo), até mesmo atravessar uma rua fora da faixa de pedestres pode então ser chamado de comportamento suicida: comportamentos que aumentam a probabilidade de morte.

Tal ideia, causa estranhamento, pois, tais comportamentos estão presentes na sociedade e quase nunca são ligados a uma ideação suicida (consciência sobre a possibilidade da morte). Quando se diz suicídio, pensa-se em: cortar os pulsos, pular de um prédio, enforcamento, tiro na cabeça, entre outros.

Quando entende-se o comportamento suicida, como um comportamento que tem como função (entre outras) o aumento da probabilidade da morte, torna-se possível não apenas a análise, como alteração de variáveis para modificação desse padrão de comportamentos.

 

 

REFERÊNCIAS

COMBINATO, D. S.; QUEIROZ, M. S. Morte: uma visão psicossocial. Estudos de psicologia. (Natal),  Natal ,  v. 11, n. 2, p. 209-216,  Aug.  2006 .   Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-294X2006000200010&lng=en&nrm=iso>. Acesso em:  07 out. 2016.

CUSTODIO, E. M. Maria Julia Kovács: uma pesquisadora refletindo sobre a morte. Boletim da  Academia Paulista de Psicologia,  São Paulo ,  v. 33, n. 85, p. 243-253, dez.  2013 .   Disponível em <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-711X2013000200003&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em:  12  nov.  2016.

FALCONE, E. A avaliação de um programa de treinamento da empatia com universitários. Revista brasileira de terapia comportamental e cognitiva, São Paulo, v. 1, n. 1, p. 23-32, jun. 1999. Disponível em <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-55451999000100003&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 12 nov. 2016.

GUILHARDI, H. J. Autoestima, autoconfiança e responsabilidade. Comportamento Humano –Tudo (ou quase tudo) que você precisa saber para viver. Santo André (SP): ESETec Editores Associados, 2002. Disponível em <https://tommyreforcopositivo.files.wordpress.com/2015/08/brandc3a3o-m-z-s-conte-f-c-s-mezzaroba-s-m-b-2002-comportamento-humano-tudo-ou-quase-tudo-o-que-vocc3aa-precisa-saber-para-viver-melhor.pdf>Acesso em: 07 out. 2016.

SABAN, M. T. Introdução à terapia de aceitação e compromisso. Belo Horizonte: Ed. Artesã, 2015.

SABAN, M. T. O que é terapia de aceitação e compromisso?. In: LUCENA-SANTOS, P.; PINTO-GOUVIA, J. & OLIVEIRA, S. M. Terapias Comportamentais de terceira geração: guia para profissionais. Novo Hamburgo: Sinopsys, 2015. p. 179-216

SKINNER, B. F. Ciência e Comportamento Humano. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

COMENTE VIA FACEBOOK

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.