Boteco Behaviorista 58 – Dependência química e manejo de contingências

0

Abordagens para o tratamento da dependência química encerram propostas diversas, algumas delas com ideias muito conflitantes entre si. O movimento antimanicomial e a reforma psiquiátrica ajudaram a deslocar o foco da instituição hospitalar para redes de atenção psicossocial, e de práticas como a internação compulsória, dependentes químicos passaram a contar com outras possibilidades, como estratégias preventivas e de redução de danos.

Apesar disso, ainda hoje vigem práticas arcaicas, ancoradas em higienismo e paternalismo, que muitas vezes tratam problemas relativos ao abuso de drogas ilícitas como casos de polícia, e não de saúde. No caso de drogas lícitas, campanhas de conscientização e uma alta tributação sobre os produtos têm sido estratégias comuns.

Independentemente de opiniões pessoais sobre cada uma dessas estratégias, nos perguntemos: quais seriam as alternativas possíveis? Mais especificamente, do ponto de vista do tratamento para a dependência química, como a análise do comportamento poderia instruir a construção de tais alternativas?

Para falar a respeito disso, contaremos com as presenças ilustres da Fernanda Calixto (UFSCar/Grupo ABA-Autonomia) e André Miguel (Unifesp) que participará com a gente direto de Cambridge!

Arte: Felipe Epaminondas

Texto: César Alves da Rocha

Participantes:
– André Miguel (Unifesp)
– César Rocha
– Felipe Epaminondas
– Fernanda Calixto (UFSCar/Grupo ABA-Autonomia)
– Marcela Ortolan

 

COMENTE VIA FACEBOOK

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.