A Relação no Setting Terapêutico: Um Caso Clínico

0

A FAP foi desenvolvida baseada nos princípios do behaviorismo radical, sendo assim, utiliza conceitos como modelagem, reforço, punição, discriminação, generalização para entender a própria relação terapêutica e utiliza-a como instrumento de mudança terapêutica. Segundo Kohlenberg e Tsai (2001), além do reforçamento a Análise do Comportamento também precisa observar comportamentos ocorridos em sessão, para isso usa-se o termo Comportamento Clinicamente Relevante (CCR), que se refere a comportamentos problemas e a comportamentos finais desejados ocorridos em sessão.

De acordo com Villas Boas (2012), os CCRs são essencialmente de três tipos a depender da função que apresentam. Os CCR1s são aqueles considerados como o comportamento problema do cliente ocorrendo dentro da sessão; os CCR2s são os comportamentos de melhora do cliente também apresentados em sessão; enquanto que os CCR3s são as análises feitas pelo cliente sobre seu próprio comportamento. Quando tais comportamentos aparecem na sessão, é possível que o terapeuta trabalhe diretamente a relação existente entre terapeuta e cliente, levando primeiramente a uma melhora nessa relação. Como o objetivo final da terapia é promover uma melhora na vida diária do cliente, depois de trabalhada a própria relação terapêutica, é necessário que se promovam estratégias de generalização, a fim de levar essa melhora às demais relações vividas pelo cliente. O alvo do terapeuta FAP é responder adequadamente aos CCRs dentro da sessão, com o objetivo de diminuir as ocorrências de CCR1 e aumentar as ocorrências de CCR2.

Em um caso de atendimento na clínica comportamentaluma cliente de trinta anos, casada, mãe de um casal e que estava fazendo acompanhamento com um psiquiatra com uso de medicamentos antidepressivos e ansiolíticos, apresentou uma rede social empobrecida, pois seus familiares residem em outra cidade, reside em cima da casa da sogra com a qual não tem uma boa relação, relata ter apenas uma amiga, demonstrou insatisfação na relação conjugal, mas diz ter boa relação com o marido. Os sintomas ansiosos apareceram desde o final da primeira gravidez.  No momento, a  cliente  está  trabalhando  como cuidadora em uma casa de família próxima à sua residência e às vezes tem episódios de ansiedade quando se encontra só na casa.

Durante os atendimentos foi possível observar que a cliente não possuía repertório de autoobservação, e não conseguia relatar de forma discriminada sobre seus sentimentos e pensamentos, além de uma autoestima baixa e intensa preocupação com as opiniões de outras pessoas a seu respeito. Outro fator observado foi sua conflituosa relação conjugal, bem como a relação coercitiva com a religião. A cliente ainda apresentou ideação suicida durante o processo terapêutico e repertório de fuga/esquiva e tatos distorcidos. A cliente tem facilidade em conversar e mostrou-se disposta a aderir à terapia.

Nas primeiras cinco sessões utilizou-se um quadro para registro de eventos ansiosos, com o objetivo da cliente desenvolver repertório de auto observação, com o intuito de identificar quais as variáveis que controlavam o seu comportamento e quais contingências contribuíam para a manutenção desse repertório comportamental. Diante da ineficácia do quadro de registro de eventos ansiosos para desenvolvimento de repertório de autoobservação foi decidido a priorização de outras intervenções como passar a focar em outras queixas trazidas pela cliente como tristeza, depressão…, através de exercícios de relaxamento e a própria relação terapêutica como forma de intervenção. Além de diminuir instruções diretas à cliente e não se tornar uma audiência punitiva, nem lançar mão de forma exacerbada dos reforços arbitrários. Segundo Skinner (1938citado por Medeiros, 2002), quando o terapeuta exerce a chamada audiência não punitiva, ou seja, não emite nenhuma consequência aversiva contingente às verbalizações do cliente, pode restabelecer o comportamento verbal suprimido pela punição.

A partir da sexta sessão a terapeuta passou a usar a relação terapêutica como forma de intervenção. Segundo Velasco e Cirino (2002 citado por Alves & Marinho, 2010), a partir da relação terapeuta e cliente é possível entender a função dos comportamentos diante das contingências governadoras da terapia e que estão ao longo da história comportamental de ambos. Ainda segundo Kohlenberg e Tsai (2001), a qualidade da relação terapêutica determinará a qualidade das análises feitas pelo terapeuta e a eficácia do processo terapêutico. Segundo Thibaut e Kelley (1959 citado por Bertani ,s.a), um bom relacionamento é aquele em que há equilíbrio entre o dar e o receber. É preciso focar nas questões mais difíceis, discutir as preocupações, descrever o próprio sentimento e solicitar mudanças no outro, não apenas criticar ou se queixar.

Os atendimentos começaram com grande foco nos episódios ansiosos da cliente e em seu diagnóstico, porém ao longo das sessões através do discurso da cliente e observações do terapeuta ficou claro ser este fator menos relevante e sim como se deve escutar as queixas trazidas pelo cliente e não seu diagnóstico.

Observou-se que a terapeuta estava utilizando-se excessivamente de instruções, o que fazia com que sua relação com a cliente seguisse o mesmo padrão das relações que a mesma possui em seu cotidiano, e que o melhor a ser feito era questionamentos reflexivos a cliente ao invés de instruções diretas.

Com a mudança de postura da terapeuta diante da cliente pode-se observar diminuição das ocorrências de CCR1: falta de repertório de auto observação, pouco repertório de tatos descritivos, ocorrência de episódios ansiosos (sudorese, tremedeira, pensamentos de morte), baixa autoestima.

Aumento das ocorrências de CCR2: aumento de repertório de auto observação, e tatos descritivos. A cliente passou a expressar sentimentos, inclusive em relação à própria terapeuta: em um dia a cliente achou a terapeuta “fria” ao falar com ela, a cliente tomou a iniciativa na terapia e contou o que havia ocorrido e disse ter “se sentido aliviada” ao conversar com a terapeuta.

Os comportamentos de Amanda (nome fictício) hoje estão sob maior controle dos eventos privados do que sob o controle do outro. Observou-se também o aumento de ocorrências de CCR3: A cliente passou a fazer relações com seus comportamentos e com a consequência dos mesmos.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

MOREIRA, Borges Márcio; MEDEIROS, Augusto Carlos. Princípios Básicos do Comportamento. B. F. Skinner, análise do comportamento e o behaviorismo radical. Cap. 12 – Porto Alegre- Artmed, 2007.

VILLAS BOAS, Alessandra. Psicoterapia Analítica Funcional (FAP): entendendo o cliente na relação terapêutica. Disponível em: <https://www.comportese.com/2012/08/psicoterapia-analitica-funcional-fap.html> Acesso em 20 de Novembro de 2012.

KOHLENBERG, J. Rober; TSAI, Mavis. FAP. Psicoterapia Analítico Funcional. Criando Relações Intensas e Curativas. Suplementação. Aumentando a capacidade do terapeuta para identificar comportamentos clinicamente relevantes. Cap. 3. ESETec.

 

BERTANI, Alexandra. Terapia Familiar Comportamental. Disponível em: < www.psicologiamooca.com.br/…/terapia_familiar_%20comportamental>.Acesso em 12 de Junho de 2012.

 

COMENTE VIA FACEBOOK

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.