O QUE A ANÁLISE DE CONTINGÊNCIAS PODE NOS ENSINAR SOBRE MOTIVAÇÃO – PARTE 1

0
Extraído de http://clubedamafalda.blogspot.com.br/2014/07/tirinha-738.html
Extraído do Clube da Mafalda

Sentir-se distante de um objetivo final pretendido ou não saber o porquê de realizar determinadas tarefas não é algo raro de ser relatado pelas pessoas atualmente. Talvez isso seja ainda mais frequente em algumas circunstâncias específicas (certos tipos de trabalho, por exemplo), ou com alguns grupos de pessoas (algo mais comum de ser observado com crianças, adolescentes e jovens adultos). Neste texto serão explorados alguns elementos da história de Contingências de Reforçamento (ou seja, a análise comportamental da história de vida) dos indivíduos, bem como fatores culturais, que podem interferir em como os indivíduos estabelecem a relação entre seus comportamentos e as consequências que serão produzidas por eles.

Vamos começar revisitando o texto escrito em 1987 por B. F. Skinner, O que há de errado com a vida cotidiana no mundo ocidental. O autor parte de uma distinção importante entre os dois componentes do efeito das consequências reforçadoras sobre o nosso comportamento: o efeito prazeroso e o efeito fortalecedor das consequências. O efeito prazeroso é uma sensação mais imediata e, possivelmente, momentânea de nossas ações, e não produz o efeito de estimular o indivíduo a repetir o comportamento que lhe permitiu acesso a este prazer. O efeito fortalecedor, por sua vez, é o que de fato terá influência sobre a probabilidade de repetirmos aquela ação futuramente: em outras palavras, é o que será responsável por manter aquele comportamento em nosso repertório.  Tal distinção, para o autor, é fundamental para entendermos os principais problemas da vida ocidental. Segundo ele, algumas práticas comuns ao nosso modo de vida têm contemplado apenas o efeito prazeroso dos comportamentos, e não o efeito fortalecedor (Skinner, 1987). Isto explicaria o que cotidianamente chamamos de falta de motivação para se comportar, ou mesmo de consciência sobre a importância de algumas atitudes necessárias.

Skinner (1987) aponta cinco práticas culturais que, segundo ele, colaboram para esta separação entre os dois efeitos produzidos pelo reforço positivo. A primeira prática cultural indesejada é o distanciamento entre o trabalho realizado pelos trabalhadores e o produto final de seu trabalho: à medida que houve uma especialização e divisão minuciosa do trabalho, cada funcionário fica responsável por uma parte tão restrita da cadeia de produção que não se sente autor do produto final (Skinner, 1987).

Isto faz com que o trabalhador não fique sensível às consequências naturais de seus comportamentos: ou seja, consequências como o alcance das metas de produção e avaliações de sua produtividade (consequências arbitrárias) acabam influenciando-o muito mais do que a satisfação por produzir algo. Eis que os indivíduos se encontram em uma condição em que as consequências arbitrárias prevalecem. Para uma distinção entre as consequências naturais e arbitrárias dos comportamentos, vale lembrar de um texto anterior desta coluna (Reforços naturais e reforços arbitrários – Sobre a polêmica orientação para reforçar).

Nestas circunstâncias, também prevalecerem condições de controle do comportamento por consequências aversivas: não trabalhamos apenas para obter uma boa avaliação de desempenho, mas para evitar uma avaliação negativa que nos prejudique. Não podemos nos esquecer de somar mais um ingrediente: muitas vezes as consequências reforçadoras (e fortalecedoras) só estarão disponíveis um tempo depois de emitirmos nossas ações, ou seja, estamos falando de reforço em longo prazo (ou reforço atrasado).

Os exemplos não se restringem ao ambiente de trabalho: um estudante pode se questionar da importância de ter que aprender um dado conteúdo (para ele, sem aplicação prática e custoso para se compreender), um paciente de um médico, dentista,  nutricionista ou fisioterapeuta pode questionar as recomendações envolvidas em um tratamento de longo prazo.

Diante disso, temos uma saída apontada pelo próprio Skinner (1987), quando o autor diz que o problema e a solução parecem ter se encontrado pela primeira vez. Estamos falando do manejo das Contingências de Reforçamento, ou seja, do ambiente em torno de quem se comporta, para que se promovam condições que favoreçam a emissão de comportamentos que se espera, sem esta quebra da relação entre comportamentos e suas consequências naturais e, muitas vezes, distantes temporalmente.

Ao fazer este manejo, ao longo da vida de um indivíduo, pode-se dizer que estamos desenvolvendo comportamentos de responsabilidade, disciplina, autocontrole. Vale lembrar que tais comportamentos não são desenvolvidos espontaneamente, sem intervenção específica (Guilhardi, 2012a). À medida que estes comportamentos forem desenvolvidos, o indivíduo estará melhor preparado para lidar com situações em que seus comportamentos não produzam consequências imediatas, nem por isso deixarão de se se comportar.

Quando observamos um indivíduo que apresenta comportamentos que não produzem consequências reforçadoras imediatas, podemos dizer que tal indivíduo é disciplinado, responsável, e mantém-se motivado a permanecer executando as tarefas que realiza. Podemos utilizar, entretanto, outro termo que caracteriza seu padrão de comportamento: maduro. Seguindo uma definição comportamental para maturidade:  “Uma pessoa madura é aquela que apresenta um repertório comportamental suficiente para – em determinadas situações – produzir reforços positivos ou minimizar, evitar ou pospor reforços negativos. Se a situação não permitir o acesso a reforços positivos, a pessoa se mantém emitindo comportamentos em função de reforços positivos atrasados, sem sofrer disrupção comportamental; ou substitui o reforço positivo-alvo por outros reforços positivos disponíveis; ou mantém os comportamentos produzindo reforços positivos condicionados intermediários.” (Guilhardi, 2012b, p.1).

Sendo assim, o manejo do ambiente que promova comportamentos de maturidade (e todo o conjunto de comportamentos que isso engloba, conforme exposto) irá preparar melhor os indivíduos para lidar com as condições frequentemente encontradas em nosso cotidiano – e sem perder a motivação!

REFERÊNCIAS

Guilhardi, H. J. (2012a). Procedimentos para instalar comportamentos de estudar. Disponível em http://www.itcrcampinas.com.br/txt/procedimentos.pdf

Guilhardi, H. J. (2012b). Alguns comentários sobre a maturidade pessoal. Disponível em  http://www.itcrcampinas.com.br/txt/maturidade.pdf

Skinner, B. F. (1987). O que há de errado com a vida cotidiana no mundo ocidental? Trad. Renata Cristina Gomes, disponível em http://www.itcrcampinas.com.br/pdf/skinner/oque_ha_de_errado_com_o_mundo_ocidental3a.pdf

COMENTE VIA FACEBOOK

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here