Duolingo como uma máquina de ensinar

0

Primeiramente, você sabe o que é uma máquina de ensinar? Bom, em 1920, Sidney L. Pressey desenhou várias máquinas cujo objetivo seria medir a inteligência e informação de maneira automática. Curiosamente, percebeu que, além de medir aprendizado, a máquina podia ensinar. No entanto, para a época se dispunha de poucos recursos que tornassem essas máquinas um instrumento atrativo para o ambiente de ensino. Em alguns casos, às máquinas eram tidas como inimigas dos docentes, posto o medo de que elas tomassem o seu emprego.

Em seu livro Tecnologia de Ensino, Skinner (1968/1972) descreveu essas máquinas. Em suas descrições ele explica como funcionam tais máquinas, em que se baseia sua efetividade, como deveriam ser usadas no ensino e de que maneira elas seriam um recurso do professor ao invés de seu substituto. Apesar das claras vantagens de seu uso, as máquinas de ensino não se tornaram um recurso atrativo tanto para professores como para alunos. Para os professores era pouco atrativo devido ao custo de resposta de se programar tais máquinas naquela época, já para os alunos era pouco atrativo devido ao fato de que tais máquinas continham poucos recursos que os mantivessem interessados em responder.

Há alguns meses foram vistas diversas reportagens falando sobre a adoção gradual do software de ensino Duolingo por professores de escolas públicas em diversos países, como pode ser visto nas reportagens citadas nas referências. Duolingo é um software voltado para o ensino de novas línguas e contêm um banco de dados extenso que possibilita uma enorme diversidade de perguntas a serem respondidas. Assim, fomos avaliar o recurso educacional para compreender o motivo da sua eficiência (disponível acesso em https://www.duolingo.com/) e chegamos à conclusão de que se trata de uma versão moderna ou aperfeiçoada de máquina de ensinar aos moldes das descritas por Pressey e Skinner, mas a partir de uma nova interface. Não é mais uma máquina analógica, mas digital, um software de ensino. Alguns dos aperfeiçoamentos que podemos citar são os recursos visuais e sonoros que podem ser usados como feedback tanto para respostas esperadas ou não, tornando a atividade mais estimulante. Outros aperfeiçoamentos interessantes são o sistema de pontuação que possibilita o aluno quantificar seu avanço de modo singular e a criação de um contexto menos aversivo para as contingências “fazer tarefa de casa/sala” já que a criança possa ter repertório de usar softwares com finalidade de se divertir.

Em 2012, David M. da Luz defendeu seu Trabalho de Conclusão de Curso – TCC cujo título é “Programação de Softwares de Ensino: a contribuição da Análise do Comportamento”, que trata exatamente de que maneira a Análise do Comportamento pode auxiliar na construção de softwares de ensino mais eficazes. Além disso, Luz (2012) também apresentou algumas vantagens dos softwares de ensino em contrapartida às máquinas analógicas da época de Skinner, como a possibilidade do aluno responder a questões abertas ao invés de escolher entre quatro opções distintas, além dos recursos visuais e sonoros como feedback para as respostas certas e erradas.

Skinner (1968/1972) e Luz (2012) apresentam argumentos que defendem o uso de máquinas de ensino e softwares de ensino como recursos didáticos. Tais vantagens apontadas podem ser identificadas a partir das reportagens lidas. Segue algumas das vantagens apontadas nas reportagens que vão de encontro às vantagens descritas por Skinner e Luz em seus trabalhos:

• A partir do banco de dados de resposta os professores poderão compreender que temas os alunos apresentam maior dificuldade de aprendizado;

• Também a partir deste banco de dados, o professor poderá verificar que questões os alunos se sentem mais inseguros em responder a partir do tempo de latência entre a questão ser apresentada e o responder do estudante;

• O software apresenta uma diversidade de estímulos sonoros e visuais que ajudam a manter o estudante em alerta para poder, assim, responder as questões de modo adequado;

• Proporciona um feedback imediato ao estudante sobre sua resposta ser ou não correta; e

• É uma ferramenta de ensino de baixo custo de manutenção, no caso do Duolingo, o software é de uso gratuito.

No entanto, o que torna estas reportagens mais curiosas é o fato de que, apesar de a Análise do Comportamento já dispor de dados científicos que comprovam as vantagens do uso de máquinas de ensino como recurso adicional nos processos de ensino, apenas agora há uma grande aceitação do seu uso e há poucas indicações que analistas do comportamento estejam diretamente envolvidos no processo de propagação e desenvolvimento destas tecnologias.

Então, fica o questionamento: em que outros contextos, além do escolar, podemos contribuir com o uso da Análise do Comportamento Aplicada?

REFERÊNCIAS

ESTADÃO. App de idiomas Duolingo lança plataforma gratuita para escolas. Disponível em: http://blogs.estadao.com.br/link/app-de-idiomas-duolingo-lanca-plataforma-gratuita-para-escolas/ (Acessado em: 02/02/2015)

EXAME. Duolingo lança plataforma para apoiar ensino de idiomas nas escolas. Disponível em: http://info.abril.com.br/noticias/blogs/download-da-hora/iphone/duolingo-lanca-plataforma-para-apoiar-ensino-de-idiomas-nas-escolas/ (Acessado em: 02/02/2015)

GLOBO. Aplicativo de ensino de idiomas Duolingo lança plataforma para escolas. Disponível em: http://revistapegn.globo.com/Noticias/noticia/2015/01/aplicativo-de-ensino-de-idiomas-duolingo-lanca-plataforma-para-escolas.html (Acessado em: 02/02/2015)

LUZ, D. M. Programação de Softwares de Ensino: a contribuição da Análise do Comportamento. Trabalho de Conclusão de Curso para obtenção do título de psicólogo, Pontifícia Universidade Católica – PUC, São Paulo – SP, 2012.

SKINNER, B. F. Tecnologia de Ensino. São Paulo – SP: EdUSP , 1972.

COMENTE VIA FACEBOOK

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here