O padrão de um relacionamento: da lua-de-mel à rotina

2

Na coluna anterior apresentei brevemente o conceito do ciclo da violência e suas implicações para um casal em situação de violência e o terapeuta. Nesta coluna irei me ater a duas fases essenciais dos relacionamentos amorosos: a lua-de-mel e a rotina, nas quais os relacionamentos podem ter diferentes desdobramentos de acordo com a resolução de problemas empregada pelos parceiros.

A fase de lua-de-mel é o início do relacionamento, o princípio da vida amorosa entre dois parceiros tem, mesmo que por períodos curtos de tempo, aspectos de novidade e reforçadores positivos e negativos envolvidos. É necessário que o terapeuta esteja atento a quais seriam esses reforçadores iniciais para que os primeiros comportamentos do relacionamento tenham sido mantidos. Por exemplo, o cliente pode queixar-se de problemas de relacionamento com os pais e com o engajamento em um relacionamento amoroso permanecer menos tempo na companhia dos mesmos. Dessa maneira, após seis meses que o cliente não mora com os pais, será que o valor reforçador é o mesmo da companhia do parceiro? O terapeuta deve estar atento a funcionalidade do princípio do relacionamento na vida do cliente, bem como quais foram os comportamentos mantidos na relação desde o princípio.

As questões elaboradas pelo terapeuta durante a sessão devem possibilitar ao cliente relatar a sua história na velocidade e maneira que preferir, sem julgamentos ou ainda concepções por parte do terapeuta do que seria o adequado ou correto nessas situações. Primeiramente, porque o terapeuta está envolvido com suas próprias contingências sobre o que seria um relacionamento em lua-de-mel e, também, porque diversos mitos sobre felicidade dentro do relacionamento são criados por filmes, novelas e livros que podem prejudicar a visão do cliente e do terapeuta sobre o relacionamento. Aponto essa questão para que não esqueçamos que diferentes contingências estão presentes na vida de cada indivíduo, não havendo uma única forma de se ter um relacionamento satisfatório, e que é direito do paciente determinar a maneira como é a mais adequada para si.

Adicionalmente, diferentes comportamentos podem ser reforçadores no início do relacionamento e perdem seu valor reforçador após um período de tempo, em especial quando as consequências envolvem reforçamento negativo. Ou seja, se o cliente indica que a manutenção do relacionamento em seu início se deu devido a não exposição a seus pais, mudança de casa, sentimentos de proteção por uma ameaça de um antigo parceiro, é fundamental que o terapeuta investigue se há outros comportamentos do parceiro que tenham consequências reforçadoras positivamente para o cliente. Quando o casal está em uma situação de violência é fundamental que o terapeuta consiga identificar a fase da lua-de-mel, razão pela qual o princípio do relacionamento deve ser foco de atenção para a compreensão do ciclo da violência. É importante notar que a fase da lua-de-mel pode ser alterada topograficamente durante o relacionamento, razão pela qual se deve atentar para a função do comportamento.

Outra questão que circunda a fase da lua-de-mel é sua duração, que em relacionamentos violentos pode ser extremamente reduzida e durar semanas, dias ou mesmo horas ou minutos. Não é o tempo em si que define se o casal está dentro de um ciclo violento, mas sim as consequências que os parceiros fornecem ao comportamento do outro. Por essa razão, o terapeuta deve estar atento para as consequências dos comportamentos e não tanto a duração de cada fase dentro dos relacionamentos.

Após um período os comportamentos não possuem mais efeitos reforçadores ou deixam de ser emitidos pelos parceiros e o casal tem uma rotina relativamente estável de atividades e comportamentos. Durante essa fase as habilidades de resolução de problemas do casal terão que ser emitidas de forma mais frequente. Essa fase é crucial para a compreensão dos relacionamentos violentos e, os terapeutas podem buscar qualquer problema que o casal tenha, do mais banal ao mais complexo, para tentar compreender a função dos comportamentos dos indivíduos dentro do relacionamento para solucionar o problema.

Para os relacionamentos em situação de violência é importante verificar se há problemas que são resolvidos sem violência e quais as formas que o casal se engaja nestes momentos e, obviamente, os momentos em que ocorre a violência. Investigar em quais momentos o casal consegue resolver problemas sem violência ou controle de um parceiro mostra-se como uma possibilidade a mais de intervenção para que o terapeuta consiga atuar na resolução pacifica de conflitos.

O ensino de habilidades de resolução de problemas pode diminuir a frequência e a severidade da violência, bem como inserir a possibilidade de generalização para outros ambientes do paciente, como seu trabalho e outras relações familiares. Em relacionamentos não violentos, o casal soluciona ou não dirige mais esforços para o problema e consegue retornar para comportamentos que o parceiro mantém ou que são mantidos por consequências prazerosas. Os relacionamentos violentos têm nestes momentos uma situação de risco na qual o psicólogo deve intervir para evitar riscos para seus pacientes.
Na próxima coluna irei abordar aspectos de intervenção para a resolução pacífica de problemas com técnicas de esquiva e de autocontrole do comportamento agressivo para que o paciente consiga sair de uma situação com potencial violento e controlar seu comportamento a partir de estímulos de seu próprio corpo.

Referência:

Eliminating the battering of women by men: some considerations for behavior analysis. Journal of Applied Behavior Analysis, 28, 493-507.

Marshall, A. D., Panuzio, J., Makin-Byrd, K. N., Taft, C. T. & Holtzworth-Munroe, A. (2011). A multilevel examination of interpartner intimate partner violence and psychological aggression reporting concordance. Behavior Therapy, 42, 364-377.

COMENTE VIA FACEBOOK

2 COMENTÁRIOS

  1. Muito bom esse site, gostei da matéria queria tirar uma dúvida, quando você fala de casal em situação de violência você se refere a violência física ou brigas de qualquer caráter?

    • Olá Fábio! Obrigado pelo comentário!
      Eu me refiro às violências física, psicológica e sexual. Qualquer uma dessas formas tem essa descrição do texto.
      Att

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.