Avaliar a si mesmo ajuda a melhorar o desempenho

0

Diferentemente de exames teóricos, provas práticas podem ser feitas pelos próprios estudantes fora da sala de aula. Esses métodos incluem responder a perguntas de exemplo no final do capítulo de um livro didático ou treinar a capacidade de recordar por meio de exercícios.


Em um estudo recente, um grupo de estudantes foi convidado a decorar pares de palavras. Em seguida, metade foi submetida a um teste no qual deveria se lembrar dos vocábulos apresentados. Depois de uma semana, os pesquisadores solicitaram que todos os participantes relatassem o que recordavam. Aqueles que haviam passado pelo segundo teste se lembravam de 35% das palavras, enquanto o restante apenas de 4%. Em outro experimento similar, dessa vez com pares de termos em inglês-suaíli, os cientistas observaram que voluntários que haviam passado por contínuos exames práticos se lembraram de 80% do conteúdo; o restante, somente de 36%. Acredita-se que os testes práticos desencadeiam reações que ajudam a acessar memórias de longo prazo por meio de múltiplas vias neurais, o que torna o acesso à informação mais simples: evocados com maior frequência, os dados inserem-se nas redes associativas que evocam aspectos da memória, fazendo com que o aprendizado seja fortalecido.

Os testes – especialmente se forem rápidos e frequentes – trazem benefícios tanto para pré-escolares quanto para estudantes de medicina do quarto ano ou ainda para adultos de meia-idade. Podem ser úteis, por exemplo, para aprender idiomas, soletrar palavras ou memorizar o nome dos nervos cranianos. Há indícios de que o recurso da “checagem das informações” também pode ajudar pacientes com Alzheimer a preservar informações por mais tempo. Os benefícios da técnica costumam durar meses ou anos. Prática, a “checagem” do que sabemos requer pouco tempo e quase nenhum treinamento.

Além disso, o recurso permite reter informações a curto, médio e longo prazo. Aquilo que desejamos reter por mais tempo deve ser revisto mais vezes. Um exemplo de como fazer: durante as anotações na sala de aula, a pessoa deve fazer uma coluna em uma das bordas da página e escrever termos, palavras ou questões-chave. Mais tarde, basta recorrer a uma autoavaliação: cubra os comentários mais extensos e retome o que aprendeu com base nos principais pontos registrados. Depois releia as anotações para ver se deixou de fora algo importante.

Fonte: Mente e Cérebro

AnterioresPesquisa em FAP: desafios e avanços
SeguintesO egoísmo dos outros
Comporte-se
O Comporte-se: Psicologia e Análise do Comportamento foi criado em 2008 e é hoje o principal portal de Análise do Comportamento do Brasil. Nele você encontra artigos discutindo temas diversos à partir do referencial teórico da abordagem; dicas de filmes, livros, periódicos e outros materiais; entrevistas exclusivas; divulgação de cursos, promoções, eventos e muito mais.
COMPART.

COMENTE VIA FACEBOOK

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here