Neurociência e o cérebro privilegiado

0
Quem é você? Quimicamente, o resultado do intercâmbio de substâncias saltitantes que pulam de uma célula cerebral para outra gerando eletricidade. Acha pouco? Pois bem, saiba que seus pensamentos, sonhos, talentos, suas paixões, seu jeito de enfiar o dedo no nariz e até as músicas que você canta no banheiro, tudo isso, é pura química cerebral. A editora Lúcia Helena de Oliveira foi aos Estados Unidos descobrir como o cérebro funciona e fazer a matéria de capa desta edição. Junto com 20 000 pesquisadores, participou do 25º Encontro Anual da Sociedade Americana de Neurociências, em San Diego. Foram dias inteiros de conferências. Lucia quase chegou à beira de um ataque de nervos, não por tudo que aprendeu mas porque seu hotel era sofrível. De dia, neurociência pura, de noite, cama dura. Chegou a dormir no sofá do saguão, pois a camareira perdeu a chave do seu quarto. Para esta edição cerebral, a SUPER foi procurar inspiração em sua irmã espanhola, a Muy Interesante, do mesmo grupo de revistas a que pertence. Em fevereiro de 1995 a Muy publicou uma boa reportagem sobre o cérebro. Sua capa serviu de referência à nossa. Não temos problema nenhum, na família SUPER, em reconhecer o trabalho dos colegas. Mesmo porque quando o pessoal da Muy vir nossa matéria eles vão ficar muito impressionados.
Reconhecer o trabalho e destacar o mérito de quem merece é uma das maiores alegrias desse ofício jornalístico – tão marcado pelo exercício e pelo dever da crítica. O editor Ricardo Arnt teve muitos motivos para se alegrar coordenando a equipe que fez a reportagem especial comemorando a centésima SUPER: Cem motivos para se ogulhar da ciência brasileira. Durante dois meses, Arnt e mais seis jornalistas entrevistaram 116 cientistas, entre os quais o presidente da República e o ministro da Saúde, e consultaram bancos de dados, bibliotecas, jornais e revistas para eleger o supertime da ciência brasileira. Depois de muito trabalho, chegaram aos 100 cientistas e instituições científicas fundamentais, do passado e do presente – alguns dos nossos cérebros mais privilegiados. Com essa extensa matéria queremos homenagear aqueles que enfrentam as dificuldades da pesquisa científica no Brasil e, com talento e obstinação, produzem conhecimento vital. Fizemos uma radiografia da ciência brasileira que revela suas virtudes e vícios. Por isso mesmo temos orgulho desses cientistas batalhadores. Também temos orgulho desta edição da SUPER.
Fonte: Revista Superinteressante
AnterioresPor que cometemos atos falhos?
SeguintesImplantes que aprimoram os sentidos
Comporte-se
O Comporte-se: Psicologia e Análise do Comportamento foi criado em 2008 e é hoje o principal portal de Análise do Comportamento do Brasil. Nele você encontra artigos discutindo temas diversos à partir do referencial teórico da abordagem; dicas de filmes, livros, periódicos e outros materiais; entrevistas exclusivas; divulgação de cursos, promoções, eventos e muito mais.
COMPART.

COMENTE VIA FACEBOOK

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here