Vocação-professor e suas consequências

0

A docência não é uma vocação. Ao contrário, tornar-se professor exige uma longa e exaustiva preparação acadêmica. O termo “vocacional”, além de sua concepção mentalista, supõe que exista um dom a ser descoberto por alguém capacitado (Moura, 2001). Encarar a prática docente como vocação, inclusive com argumentos sexistas, retira o foco da formação profissional e do desenvolvimento de tecnologias de ensino, atrapalhando sobremaneira o cenário educacional do País. Como a prática da docência abrange uma infinidade de áreas, o texto em questão tem como recorte a educação infantil, o que não impede o leitor de generalizar a análise para outros contextos. 
Inicialmente, a educação infantil brasileira esteve sob a responsabilidade exclusiva da família. As primeiras tentativas de organização de creches, asilos e orfanatos surgiram com um caráter assistencialista, com o intuito de auxiliar as mulheres que trabalhavam fora de casa e as viúvas desamparadas. Posteriormente, com o processo de implantação da industrialização no País, a inserção da mão-de-obra feminina no mercado de trabalho impulsionou a criação de instituições de educação e cuidados para seus filhos. (Paschoal & Machado, 2009) 
Segundo dados da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (2003), atualmente no Brasil a maioria dos educadores da educação é mulher e possui entre 25 e 59 anos. Para Chamon (2005), o alto índice de participação das mulheres na educação infantil, está relacionado ao discurso do amor, da docilidade e da vocação, como estratégia para encobrir as condições concretas e as concepções de educação nas quais a prática docente acontece. 
Ao darmos uma dimensão missionária do trabalho docente – herança de sua fundação no Brasil – produzimos como consequência a desvalorização monetária do trabalho deste profissional, e, levando em consideração a função do dinheiro como reforçador generalizado em nossa sociedade, estaremos produzindo profissionais desmotivados. Além disso, a atribuição de um caráter vocacional ao trabalho feminino reforça os estereótipos sociais sobre as relações de gênero e de classe. 
Em 2011, o atual Governador do Ceará, Cid Gomes, em virtude de uma greve deflagrada pelos professores da rede pública, declarou que os mesmos deveriam trabalhar por amor, e não por dinheiro¹. A opinião do político vai ao encontro da “vocacionalização” da docência. Ora bolas, se o sujeito tem um dom, não necessitando de formação adequada para praticá-lo, por qual razão deveríamos oferecer um bom salário? 
Para B. F. Skinner, principal teórico da Análise do Comportamento, o professor é o responsável por planejar as contingências de reforço a fim de “facilitar a aprendizagem” (Skinner, 1972). Compete ao professor formular os objetivos e dispor as condições necessárias para que o aluno se comporte de acordo com o que é proposto de modo a produzir consequências que contribuam para a manutenção do comportamento emitido (Zanotto, 2000). Definir previamente o que é ensinar, como ensinar e o que ensinar, não é uma tarefa fácil. A prática do educador, principalmente na contemporaneidade, exige um dinamismo incomum. A todo momento surgem novas tecnologias de ensino e novas diretrizes educacionais, impelindo os docentes a se atualizarem. 
Estudar os processos de aprendizagem e investir na formação dos professores é um importante passo para melhorarmos os níveis educacionais brasileiros. Uma ciência do comportamento que oportuniza o estudo dos determinantes que levam alguém a se tornar professor e dos fatores que fazem com que alguém se mantenha na docência, pode ser útil para ajudar a pôr fim em ideias convenientemente equivocadas e na criação de políticas públicas compatíveis com a importante missão que estes profissionais exercem em nossa cultura. 
Referências Bibliográficas 
Chamon, M.(2005) Trajetória da feminização do magistério. Ambigüidades e Conflitos. Belo Horizonte. Autêntica. 
Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (2003). Pesquisa Retrato da Escola 3 – A realidade sem retoques da Educação no Brasil. Volume 3. Brasília-DF. 
Moura, C. B. (2001). Orientação profissional sob o enfoque da análise do comportamento. Londrina. UEL. 
Paschoal, J. D.; Machado, M. C. G. (2009). A história da educação infantil no Brasil: avanços, Retrocessos e desafios dessa modalidade educacional. Revista HISTEDBR On-line, nº33. Campinas – SP 
Skinner, B. F. (1972). Tecnologia do ensino. Tradução de Rodolpho Azzi. São Paulo. EPU.. 
Zanotto, M. L. B. (2000). Formação de Professores: A contribuição da Análise do Comportamento. São Paulo. EDUC.

COMENTE VIA FACEBOOK

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.