A resposta sexual humana.Vània L.P.Sant´Ana

0

SEXUALIDADE HUMANA
 
Começo hoje a escrever uma série de textos sobre a sexualidade humana. Iniciarei com os estudos pioneiros sobre a resposta sexual e suas características. Posteriormente, abordarei as diferentes formas de expressão da sexualidade humana, assim como as suas disfunções e formas de tratamento. Além desta parte, já prevista, discorrerei sobre temas que, eventualmente, despertem o interesse dos leitores. Citarei, inicialmente, apenas as obras consideradas clássicas no estudo do comportamento sexual humano. Quando for útil, as referências serão ampliadas e atualizadas. Embora inicialmente o texto contenha muitas informações técnicas, elas são imprescindíveis para a compreensão tanto da resposta sexual saudável quanto para a análise das disfunções que veremos nos próximos textos. Espero que a leitura seja agradável e proveitosa.
 
A Resposta Sexual Humana

A partir dos estudos realizados por Masters e Johnson nas décadas de 1950 a 1970 a Resposta Sexual Humana pode ser cientificamente explicada. Estes estudos descrevem a resposta sexual como uma sucessão racional e ordenada de ocorrências fisiológicas cujo objetivo é preparar o(s) corpo(s) para o orgasmo ou reprodução.
 No ato sexual bem sucedido os órgãos sexuais sofrem transformações profundas do seu estado normal tanto na sua forma quanto nas suas funções. A excitação sexual provoca reações neurológicas, vasculares, musculares e hormonais que afetam, com diferentes intensidades, o funcionamento de todo o corpo. De acordo com o esquema proposto por Masters e Johnson (1967) consideraremos a resposta sexual humana como sendo composta por quatro fases, a saber:

1. Excitação:
É caracterizada pelo ímpeto de sensações eróticas e pela obtenção da ereção, no homem, e da lubrificação vaginal, na mulher. Ocorre a congestão generalizada dos vasos, a respiração fica mais ofegante, há o aumento das pulsações e da pressão arterial. No homem, o pênis fica ereto, o escroto se dilata, a bolsa escrotal torna-se mais lisa e maior, enquanto os testículos começam a se elevar porque os cordões espermáticos ficam mais curtos. A pele muda de coloração (rubor), os seios se intumescem e os mamilos ficam eretos
O traço feminino característico de uma resposta sexual saudável é a lubrificação vaginal (dez a trinta segundos após o início da estimulação sexual). Há, também, congestão dos vasos do clitóris, que pode se tornar ereto. O útero aumenta de volume em virtude do ingurgitamento vascular e começa a elevar-se da sua posição de repouso no soalho pélvico; simultaneamente, a vagina começa a se dilatar e a se distender para acomodar o pênis.

2. Platô (Plateau)
É um estado mais avançado da excitação, que ocorre logo antes do orgasmo. A resposta vasocongestiva local do órgão sexual primário se encontra no auge, em ambos os sexos. No homem, o pênis está distendido e cheio de sangue até o limite de sua capacidade. Os testículos tornam-se 50% maiores do que o tamanho normal. As contrações musculares e dos cordões espermáticos levantam os testículos, colocando-os em uma posição bem rente do períneo. Aparece uma ou duas gotas de secreção mucóide.
Na mulher ocorre o rubor da pele, a intumescência e a coloração dos lábios menores (variando do vermelho vivo ao bordô), a formação de uma placa espessa de tecido congestionado circundando a entrada e a parte inferior da vagina (“plataforma orgásmica”). O útero termina sua elevação do soalho pélvico e o terço exterior da vagina está bastante distendido. Por fim, imediatamente antes do orgasmo, o clitóris gira 180º e se retrai numa posição plana.

3. Orgasmo
O sêmen é expulso através do pênis (ejaculação) em intervalos de 0,8 segundos entre cada uma das 3 a 7 expulsões. O orgasmo masculino tem dois componentes: o primeiro deles consiste nas contrações dos órgãos internos e assinala uma sensação de “inevitabilidade ejaculatória”. As contrações rítmicas da uretra do pênis, dos músculos da raiz do falo e dos músculos perineais que ocorrem imediatamente após, constituem o segundo componente e são experimentados como o próprio orgasmo.
Depois do orgasmo o homem torna-se refratário à excitação sexual, mais especificamente: um curto espaço de tempo denominado o “período refratário” o qual deve transcorrer antes que ele possa ejacular novamente.
O orgasmo feminino, independentemente da forma de excitação, também consiste sempre de 0,8 de segundos de contrações rítmicas reflexas dos músculos circunvaginais, do períneo e dos tecidos inflados da “plataforma orgásmica”.
As características do orgasmo são idênticas em todas as mulheres e a evidência clínica indica que o orgasmo feminino pode ser acionado por várias formas de estimulação do clitóris. A mulher, fisiologicamente falando, nunca é refratária ao orgasmo; se ela não tiver inibição, após ter um orgasmo e estando ainda na fase plateau, pode ser de novo excitada para outro orgasmo.

4. Resolução:
Esta é a fase final do ciclo da resposta sexual na qual as respostas fisiológicas locais especificamente sexuais cessam e todo o corpo volta ao seu estado normal. As pulsações, a pressão arterial, a respiração, a vascularidade da pele voltam ao normal em minutos após o orgasmo. No homem, os testículos se desintumescem e descem imediatamente à posição habitual enquanto o pênis volta vagarosamente ao seu estado flácido urinário. Com algumas exceções, o pênis se desintumesce em dois períodos: no primeiro, logo após o orgasmo, o pênis é reduzido a aproximadamente metade do seu tamanho quando no auge da ereção e, dentro de meia hora, o tamanho diminui por completo. Nos homens mais velhos, a involução do pênis após o coito se faz mais rapidamente, quase sempre dentro de minutos.
Na mulher, o clitóris volta à posição normal dentro de 05 a 10 segundos após o orgasmo. O útero volta ao seu estado de repouso. Os lábios menores perdem a coloração intensa dentro de 10 a 15 segundos depois do fim da contração orgásmica e a vagina volta a seu descorado estado de repouso e relaxamento entre 10 a 15 minutos após a plataforma orgásmica. Embora neste esquema a resposta sexual pareça ser uma sequência ordenada de uma ocorrência unitária e inseparável a resposta sexual em ambos os sexos é, na realidade, bifásica, envolvendo:
a) Uma reação vasocongestiva genital – que produz a ereção do pênis no homem e a lubrificação vaginal e intumescência, na mulher.
b) As contrações musculares clônicas reflexas – que constituem o orgasmo em ambos os sexos.
Os aspectos descritos até agora são de fundamental importância na compreensão de como se dá a resposta sexual em seus aspectos fisiológicos e na análise de cada uma das formas que esta resposta é apresentada.

REFERÊNCIAS

Masters, H.W. (1979). A conduta sexual humana. 3ª. Ed.Trad.Dante Costa, Editora Civilização Brasileira S.A. Rio de Janeiro.
Masters, H.W. (1979). A incompetência sexual. 3ª. Ed. Editora Civilização Brasileira S.A. Rio de Janeiro.

COMENTE VIA FACEBOOK

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.