Esvanecimento: definição e aplicação

1

* Trabalho apresentado na disciplina de Estratégias de Intervenção em Terapia Comportamental da I Turma do Curso de Fundamentos em Terapia Comportamental promovido pelo InPA – Instituto de Psicologia Aplicada.


Autora: Juliana de Brito Lima
Ao tratar de aprendizagem, a Análise do Comportamento apresenta alguns procedimentos em que é possível se estabelecer um novo comportamento, seja a partir da modificação gradual da resposta ou do estímulo. É neste contexto em que vem à discussão técnicas comportamentais como o esvanecimento, que será apresentada neste trabalho. 
Esvanecimento, ou Fading, trata-se de um procedimento em que um comportamento que ocorre em uma situação também passa a ser emitido em outra situação a partir da mudança gradual do estímulo, da primeira para a segunda ocasião (LUNDIN, 1977). Em outras palavras, é o nome dado à transferência gradativa do controle de um estímulo para outro, de modo que, ao longo de repetições sucessivas, possa se obter a mesma resposta a partir de um estímulo modificado parcialmente ou mesmo de um estímulo novo. 
Conforme Whaley e Malott (1980), o esvanecimento pode ocorrer por dois meios: ao serem acentuadas as características de uma das situações-estímulo, introduzindo características do estímulo gradualmente (Fading in) e também ao se remover ou atenuar características de um estímulo ou situação (Fading out). Ambos os termos podem ser descritos, respectivamente, como “esvanecimento através da introdução gradual de estímulos” e “esvanecimento através da remoção gradual do estímulo”. 
Martin e Pear (2009) defendem que o esvanecimento veio trazer uma nova concepção sobre a aprendizagem, que anteriormente preconizava que era necessário haver erros para que os sujeitos pudessem discriminar o que não deveriam fazer. Com o esvanecimento, foi possível demonstrar a transferência de uma discriminação, sem erros, fato que confere algumas vantagens, como a rapidez na aprendizagem (uma vez que erros consomem um tempo considerável no método “ensaio-e-erro”). 
Para que o esvanecimento seja eficaz, alguns cuidados devem ser considerados. O estímulo final desejado (aquele estímulo que deverá evocar o comportamento no final do procedimento) deverá ser escolhido com cautela, certificando-se de que a ocorrência da resposta diante deste poderá ser mantida no ambiente natural do sujeito. Ou seja, é necessário que o profissional tenha a garantia de que, ao final do procedimento, o último estímulo apresentado evoque corretamente a resposta, além do fato de que esta resposta tenha probabilidade de ser mantida no contexto natural do sujeito, treinando o aprendiz até a etapa final, diante do estímulo final desejado. 
Outros fatores que influenciam na eficácia do esvanecimento são: a necessidade de reforçar positivamente os acertos, a freqüência das repetições, a escolha das etapas e o uso de deixas (MARTIN e PEAR, 2009). O uso de reforço positivo é justificado pelo fato de que este é eficaz no que tange a aprendizagem de um comportamento novo, pois aumenta a probabilidade de ocorrência futura. Quanto às repetições e etapas, sabe-se que, tal qual na modelagem, é necessário repetições do procedimento, a fim de que o comportamento seja emitido com forte controle de estímulos, evitando-se o erro. O profissional deve estar atento ao ritmo da aprendizagem do sujeito envolvido, para que discrimine o momento e a velocidade de esvanecimento de estímulos. Caso o sujeito emita erros, deve-se voltar às etapas anteriores e treinar novamente a resposta. 
Quanto às deixas, estímulos introduzidos para tornar mais provável a emissão do comportamento desejado, Martin e Pear (2009) classificam-nas e estabelecem regras para que as mesmas sejam eficazes. Alguns exemplos de deixas são as físicas, verbais, gestuais, de imitação e ambientais. 
As deixas físicas incluem a ajuda física ao aprendiz (o exemplo da professora que esvanece a pressão sobre a mão de uma criança que aprende a escrever), já as gestuais dizem respeito a movimentos ou gestos que o instrutor faz para indicar a resposta, sem no entanto tocá-lo (quando, por exemplo, este ensina as partes do corpo). Por sua vez, as deixas de imitação incluem a demonstração do comportamento correto (um exemplo é quando o instrutor ensina a criança a limpar-se, demonstrando em seu próprio corpo); as verbais referem-se a dicas (quando, no exemplo anterior, se ensina uma criança a limpar-se a partir de verbalizações, como “agora passe o sabonete pelo corpo”). Já as deixas ambientais se referem a modificações no ambiente para que este seja mais propício à emissão do comportamento desejado, como quando o “concurseiro” organiza seu quarto de estudo deixando acessíveis apenas estímulos relacionados ao estudo das matérias, o que aumenta a probabilidade de um estudo coerente com o objetivo. 
Qualquer que seja a deixa utilizada, deve-se ter o cuidado quanto às repetições e as suas apresentações, uma vez que isto pode causar dependência excessiva no aprendiz, de modo que este pode dar menos atenção à ela com o passar do tempo. Assim, para o sucesso do procedimento, à medida que o comportamento for sendo aprendido, as deixas devem ser esvanecidas, em velocidade tal que se evite a emissão de erros. 
Caballo (1999), ao descrever o esvanecimento, emite comparações com a modelagem. Assim, verifica-se que o esvanecimento mantém semelhanças com a modelagem: quanto ao procedimento gradual (do estímulo, no esvanecimento; da resposta, na modelagem), uso de reforço a cada resposta (diante da modificação do estímulo) e também quanto ao pré-requisito de se haver um comportamento para o início do procedimento (no caso do esvanecimento, é necessário que haja um comportamento sob controle discriminativo para que seja mudado no controle de uma nova dimensão de estímulo; já na modelagem seria necessário haver um comportamento inicial para que este pudesse ser modelado). 
Quanto à aplicabilidade da técnica, observa-se o seu uso desde o cotidiano até situações clínicas. Em muitas situações diárias em que há o ensino de um comportamento para outra pessoa observa-se o uso do esvanecimento, como quando o pai auxilia uma criança a andar de bicicleta (utilizando deixas físicas, por exemplo) ou quando a professora assessora o aluno a escrever letras e palavras, utilizando pontilhados mais próximos, aumentando aos poucos o espaçamento entre eles, após várias repetições e conseqüentes reforçamentos, a fim de que o aluno possa discriminar e aprender a escrever o objeto. 
Ademais, Martin e Pear (2009) descrevem aplicabilidades clínicas deste procedimento, como situações de aprendizagem em programas com pessoas que apresentam déficits no desenvolvimento e autismo, além de crianças pequenas. Usa-se o esvanecimento na implementação do repertório da pessoa com autismo ou criança ao ensiná-la o seu nome, o nome dos objetos, e a execução de atividades de vida diária (AVD’s), entre outros.
Referências
CATANIA, A.C. Aprendizagem: comportamento, linguagem e cognição. 4 ed. Porto Alegre: Artmed, 1999. 
MARTIN, G.; PEAR, J. Modificação de comportamento: o que é e como fazer. 8 ed. São Paulo: Roca, 2009. 
LUNDIN, R. W. Personalidade: uma análise do comportamento. São Paulo: EPU, 1977. 
WHALEY, D.; MALOTT, R.W. Princípios elementares do comportamento. Vol.1. São Paulo: EPU, 1980. 

COMENTE VIA FACEBOOK

1 COMENTÁRIO

  1. Bom texto,faltou exemplos mais extensos, me surpreendo cada vez mais com a utilidade da análise do comportamento na aquisição de novos hábitos,principalmente no que se refere ao ambiente escolar!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.