Quase 75% dos brasileiros que tomam remédio para TDAH estão com diagnóstico incorreto

5
De acordo uma pesquisa divulgada pelo portal RedePsi, quase 75% das crianças e dos adolescentes brasileiros que tomam remédios para deficit de atenção não tiveram diagnóstico correto.
O dado é de um estudo de psiquiatras e neurologistas da USP, Unicamp, do Instituto Glia de pesquisa em neurociência e do Albert Einstein College of Medicine (EUA), que será apresentado no 3º Congresso Mundial de TDAH (transtorno de deficit de atenção e hiperatividade), no fim do mês, na Alemanha.
A pesquisa colheu dados de 5.961 jovens, de 4 a 18 anos, em 16 Estados do Brasil e no Distrito Federal.
Os autores aplicaram questionários em pais e professores para identificar a ocorrência do transtorno, tendo como base os critérios do DSM-4 (manual americano de diagnóstico em psiquiatria).
As informações foram comparadas aos relatos dos pais sobre o diagnóstico que seus filhos receberam de outros profissionais, antes do período das entrevistas.
Só 23,7% das 459 crianças que haviam sido diagnosticadas com deficit de atenção realmente tinham o transtorno, segundo os critérios do manual. Das 128 que tomavam remédios para tratá-lo, só 27,3% tinham o problema, segundo os pesquisadores.
“Isso mostra que há muitos médicos prescrevendo o remédio, mas que não conhecem bem o problema”, diz o neurologista Marco Antônio Arruda, coautor do estudo e diretor do Instituto Glia.
O remédio usado para tratar o transtorno é o metilfenidato, princípio ativo da Ritalina e do Concerta. A substância é da família das anfetaminas e age sobre o sistema nervoso central, aumentando a capacidade de concentração.
Entre os efeitos colaterais causados pela droga estão taquicardia, perda do apetite e o desenvolvimento de quadro bipolar ou psicótico em pessoas com predisposição.
Guilherme Polanczyk, psiquiatra da USP, relativiza a conclusão do estudo. “Muitas das crianças avaliadas podem estar sem sintomas por conta do uso dos remédios.”
0 0 vote
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
5 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Isadora P. Ferrari
Isadora P. Ferrari
8 anos atrás

Nossa.. concordo e muito com esses resultados. Trabalho como voluntária numa instituição que avalia crianças com dificuldades de aprendizagem e além do TDAH é um absurdo a quantidade de diagnósticos de dislexia, dislalia, discalculia, e quase todos incorretos. Infelizmente na maioria dos casos as crianças já chegam medicadas, e ao final da avaliação é muito nítido pra mim que trata-se de uma questão de manejo ambiental. Porém fica difícil contestar a opinião de um médico, e uma série de outros profissionais enquanto psicóloga recém-formada, meu crédito acaba sendo limitado pela pouca experiência.Essa matéria é pano de fundo para infinitas discussões,… Read more »

Yara Justino
Yara Justino
8 anos atrás

Muito boa a matéria…
Estou realizando um projeto de pesquisa a respeito das implicações nos diagnósticos de TDAH em crianças e gostaria das referencias deste artigo (e quaisquer outros matérias que puderem me enviar).

Obrigada!!

Marília Castelo Branco
8 anos atrás

Essa realmente é uma discussão que parece estar longe de se chegar a uma conclusão…De qualquer forma, abordo um pouco essas questões em minha dissertação de mestrado que tem o objetivo geral de caracterizar uma população de crianças com a Síndrome do Respirador Bucal e que sofrem com hipertrofia de adenóides, de amígdalas ou ambos.O que temos observado até então é muito interessante…muitas dessas crianças têm comportamentos característicos do TDAH pelo fato de terem alguma dificuldade na respiração e consequentemente no SONO. E uma vez que realizam a cirurgia para retirada das amígdalas e redução das adenóides, seus hábitos de… Read more »

Rafael
Rafael
3 anos atrás

Cadê o link da referência? Não consegui confirmar esta pesquisa na internet…