A Motivação Interfere nos Resultados do Teste de QI

4
Um novo estudo publicado na revista científica PNAS, realizado por uma equipe de Psicólogos da Universidade da Pensilvânia – Filadélfia (EUA), demonstrou que a pontuação obtida por pessoas submetidas ao teste de QI é fortemente influenciada pela motivação com que realizam as tarefas. 
Todas as 2 000 pessoas que participaram do experimento tiveram sua pontuação aumentada após receberem incentivos para realizarem o teste. A diferença foi maior ainda entre aqueles que tiveram pontuação menor na primeira testagem. 
O site Ciência Hoje [link], veículo que divulgou a pesquisa no Brasil, não informou se nas duas testagens foram usados os mesmos testes e nem qual o intervalo de tempo entre as duas testagens; informações importantes, já que quando o sujeito é exposto pela segunda vez a uma mesma situação, ele já possui algum conhecimento sobre como agir diante dela, o que poderia ser minimizado com um intervalo de tempo maior entre uma e outra testagem e outra. 
Esta possibilidade não torna menos relevantes os resultados da pesquisa, especialmente diante da quantidade de pessoas que dela participou. Os dados colhidos servem de alerta para o quanto se confia em um teste de QI e, principalmente, para a importância de se avaliar outros aspectos da vida de quem é submetido a este tipo de avaliação.
Há cerca de uma década um Psicólogo da Universidade de Harvard já havia avaliado os resultados destes testes, e do mesmo modo, defendia que a Inteligência Emocional tinha um papel importante no desempenho da pessoa. Inteligência Emocional é um conceito que tem como definição a capacidade de reconhecer e lidar com os próprios sentimentos e com os sentimentos dos outros. 
0 0 vote
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
4 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Daniel F. Gontijo
9 anos atrás

Li outro dia que o tempo necessário para que a realização de um teste não afete positivamente o desempenho no reteste é de certa de 7 anos. Mas isso deve variar conforme o tipo de teste, e eu também não me lembro do tamanho dos efeitos envolvidos. Da mesma forma, é importante saber o tamanho da melhora de desempenho no reteste dessa pesquisa. Cara, com certeza o “quadro emocional” da pessoa no momento da testagem afeta o seu desempenho. Um amigo contou-me que um dos melhores bateristas do mundo (Aquiles) mandou muito mal em um processo seletivo para entrar em… Read more »

Neto
9 anos atrás

Excelentes observações, Daniel!

Na notícia, a pesquisa sobre Motivação é diferente da pesquisa sobre Inteligência Emocional. São duas pesquisas. O que elas tem em comum é investigar outros elementos fora o desempenho no teste, e ambos, relacionados à emoção.

Inteligência Emocional é um conceito extremamente problemático, de fato. Existem inúmeras definições.

Marcus Alves
9 anos atrás

Gostaria de ler o artigo, mas infelizmente não consegui achar no PNAS, entretanto, pelo que li na notícia original, a autora não questiona a validade preditiva dos escores nos testes de QI, mas sim, a relação do poder preditivo dos dois tipos de fatores, QI e motivação, para o sucesso profissional e afins. Aparentemente, as pessoas que pontuam abaixo da média em testes de QI possuem um desvio padrão significativamente mais alto – quando comparados os fatores motivacionais – em relação aos que pontuam acima da média. Alguns pontos que você e o Daniel trouxeram acerca dos métodos da pesquisa… Read more »

Neto
9 anos atrás

Boas observações, Marcus.