Como manter os alunos focados em sala de aula: uma metodologia de ensino em ABA

1

O método utilizado na maior pesquisa educacional realizada e patrocionada pelo Governo Federal dos Estados Unidos teve início de suas pesquisas nas escolas norte-americanas entre os anos de 1967 a 1995, com o objetivo de melhorar o desempenho dos estudantes com baixo nível de aprendizagem. Desenvolvido por Siegfried Engelmann e Wesley C. Becker, o método denominado Instrução Direta é alinhado aos princípios da Análise do Comportamento Aplicada, e possui evidências científicas destacando sua eficácia.

Em 2015, conheci o método de ensino “Instrução Direta”. Desde então, sempre que tenho um paciente pelo qual acredito que se beneficiará desta técnica de aprendizagem, eu o introduzo ao programa de intervenção.

Instrução Direta é um ensino programado no qual o conteúdo é dividido em uma série de pequenas unidades de aprendizagem e as instruções são apresentadas sequencialmente. Existem inúmeros programas de Instrução Direta. No geral, esses programas ensinam um conjunto de habilidades, tais como: matemática, leitura, escrita, ciência, estudos sociais e linguagem. Para cada um desses programas há um currículo específico.

Afinal, quais são as características desse método e como funciona? Vamos falar de suas principais características. O próprio nome Instrução Direta já nos dá uma dica de como esse método é aplicado. As instruções são explícitas e diretas. O professor ou terapeuta lê as instruções do currículo para os estudantes em uma orderm específica e metódica. Essa característica é chamada de roteiro.

O currículo de Instrução Direta foi tão bem desenvolvido que até mesmo quando os alunos respondem às perguntas ou instruções incorretamente, o professor segue as técnicas de correção e prevenção de erros que estão no próprio currículo. Ou seja, quando o aluno responde a uma pergunta incorretamente, o professor repete a pergunta e provê a ajuda necessária para que o estudante responda à pergunta inicial corretamente. Geralmente, essa técnica deve ser aplicada até que o aluno possa responder à pergunta inicial sem ajuda.

As instruções devem ser apresentadas para os estudantes de forma rápida. Ao longo dos anos, aprendi com esse método que a chave para manter os alunos focados no material estudado é apresentar as instruções rápidas para que eles não tenham a chance de se distraírem. Quando há um intervalo entre as instruções, os alunos se distraem e perdem o foco no material. Além disso, apresentando as instruções rapidamente, ensinamos mais em pouco tempo.

O método foi desenvolvido para pequenos grupos de estudantes. Embora eu já tenha visto vídeos de professores utilizando Instrução Direta com aproximadamente 12 estudantes. Essa é outra característica desse método educacional, aprendizagem para grupos reduzidos.

Outra característica interessante, é a apresentação de um sinal após o professor ou terapeuta dar uma instrução aos estudantes. O sinal é utilizado para indicar que a partir deste, os estudantes podem responder à instrução e a participar. A escolha do sinal fica a critério do profissional. Atualmente, utilizo como sinal a topografia de bater a caneta na mesa, mas também pode ser utilizadas topografias de sinais como estalar o dedo ou apontar o dedo indicador, entre outros.

Após o sinal, os alunos devem responder todos juntos e em voz alta, como se fossem parte de um coral. Essa característica “responder em coral”, oferece mais oportunidade de participação na sala de aula do que o método tradicional de aprendizagem. Os alunos não sabem quando serão chamados individualmente para responder uma pergunta, isso permite que eles mantenham atenção ao material.

Após cada resposta correta, o reforço é imediato. Aqui estão alguns exemplos de instruções de um dos currículos que eu utilizo.

Antecedente Resposta Consequência
Terapeuta diz “Toca o seu nariz” Estudante toca o seu nariz Muito bem!
Terapeuta diz “O que você está fazendo?” Estudante responde “Tocando o MEU nariz” Excelente!
Terapeuta toca o seu próprio nariz e pergunta “O que eu estou fazendo?” Estudante responde “Tocando o SEU nariz” Ótimo!

 

O exemplo acima é de um dos módulos do currículo “Language for Learning”. Nesse módulo, o estudante aprende pronomes e identificação das partes do corpo.

Esses são os outros currículos que já utilizei ao longo de minha experiência com essa metodogia de ensino: “Touch math”, “language for learning”, “language for thinking”, “language for writing”, e “reading mastery”. No website “National Institute for Direct Instruction”, você pode obter uma lista de todos os currículos do Instrução Direta.

Assim como qualquer intervenção em Análise do Comportamento Aplicada, o método de Instrução Direta acredita que todas as crianças podem aprender. Muitas pesquisas demonstram sua eficácia para grupos de idades e níveis sociais diferentes. O método foi comparado com o método tradicional de educação, e os resultados indicaram uma diferença grande na aprendizagem da leitura, matemática, linguagem e soletrar. Infelizmente, o método ainda não está disponível na língua Portuguesa, mas nada nos impede de iniciarmos uma pesquisa dedicada a esse método que é tanto apreciado e aplicado em países desenvolvidos.

Ainda está em dúvidas de qual método aplicar na sua sala de aula?

Referências Bibliográficas

Cooper, O., John, Heron, E. Timothy., Heward, L., William (2007). Applied Behavior Analysis(2nd edition). Pearson Prentice Hall, New Jersey, USA.

Mace, C. F., Hock, M. L., Lalli, J. S., West, B. J., Belfiore, P., Pinter, E., et al. (1988).

Behavioral momentum in the treatment of noncompliance. Jornal of Applied Behavior Analysis, 21, 123-141.

 

Thomas, B. R., Lafasakis, M., & Sturmey, P. (2010). The effects of prompting, fading, and differential reinforcement on vocal mands in non-verbal preschool children with autism spectrum disorders. Behavioral Interventions, 25, 157-168.

 

Tsiouri, I., & Greer, D. R. (2003). Inducing vocal verbal behavior in children with severe language delays through rapid motor imitation responding. Jornal of Behavioral Education, 12, 185-206.

 

Wehby, J. H., & Hollahan, S. M. (2000). Effects of high probability latency to initiate academic tasks. Journal of Applied Behavior Analysis, 33, 259-262.

COMENTE VIA FACEBOOK

1 COMENTÁRIO

  1. Isso de todos os alunos responderem em grupo após o sinal da professora e as instruções serem dadas uma após a outra para reduzir a chance de distração por parte do aluno, me lembrou as aulas de idiomas da Wizard.
    Alguém identifica a mesma característica?

DEIXE UM COMENTÁRIO