Terapia em terceira pessoa

0

Colocar seus sofrimentos na pele de um personagem e contar uma história sobre ele pode ajudar a elaborar eventos muito dolorosos. E de forma mais eficiente, inclusive, que se a narrativa fosse feita em primeira pessoa, garantem pesquisadores da Universidade de Iowa.



Eles instruí­ram voluntários hospitalizados, que haviam passado por situação traumática e sofriam com pensamentos recorrentes e intrusivos, a fazer o exercício de “escrita expressiva em terceira pessoa”. Foi observado, conforme relatado no Stress and Health, que os sinais de melhora foram mais evidentes, por exemplo, do que em voluntários que se colocaram como protagonistas. “Assumir a perspectiva de outro cria uma distância segura do trauma. É uma maneira de fazer com que não pareça tão ameaçador e, assim, entrar em contato com a dor para tentar trabalhá-la”, diz um dos autores, Matthew Anderson.


Fonte: Revista Mente e Cérebro 

AnterioresO comportamento nosso de cada dia nos dai hoje
SeguintesTeoria de Freud é respaldada por escâneres cerebrais
Comporte-se
O Comporte-se: Psicologia e Análise do Comportamento foi criado em 2008 e é hoje o principal portal de Análise do Comportamento do Brasil. Nele você encontra artigos discutindo temas diversos à partir do referencial teórico da abordagem; dicas de filmes, livros, periódicos e outros materiais; entrevistas exclusivas; divulgação de cursos, promoções, eventos e muito mais.
COMPART.

COMENTE VIA FACEBOOK

DEIXE UM COMENTÁRIO