Cientistas criam primeira interface para conectar cérebros humanos

0
Pesquisadores da Universidade de Washington realizaram o que afirmam ser a primeira interface cérebro–cérebro entre dois seres humanos. Eles foram capazes de captar a atividade cerebral de um voluntário, transmitir o sinal via internet e usá-lo para controlar os movimentos da mão de outro homem. “A internet sempre foi uma maneira de conectar computadores e, agora, poderá ser uma maneira de conectar cérebros”, afirma Andrea Stocco, professor de psicologia da Universidade de Washington, que teve sua mão controlada durante o experimento. 
Disparos mentais — Rajesh Rao é professor de ciência da computação na Universidade de Washington, e há mais de dez anos trabalha no desenvolvimento de interfaces cérebro-máquina. No dia 12 de agosto, ele estava sentado em seu laboratório usando um capacete com eletrodos ligados a uma máquina de eletroencefalograma, capaz de ler a atividade elétrica de seu cérebro.
Enquanto isso Andrea Stocco estava em seu laboratório — no outro extremo do campus universitário — vestindo uma touca de natação roxa que dava suporte a um aparelho de estimulação magnética transcraniana, capaz de estimular o cérebro e induzir uma resposta neural. Seu efeito normalmente depende da área onde ele é aplicado. Neste caso, o aparelho foi colocado diretamente sobre o córtex motor esquerdo, mais precisamente na área que controlava os movimentos de sua mão direita. 

No videogame, o voluntário deveria acertar o míssil lançado por piratas antes que ele atingisse a cidade. O problema é que o botão para disparar seu canhão estava do outro lado da universidade
Em sua sala, Rao estava olhando para uma tela de computador onde deveria jogar um videogame bastante simples. No jogo, ele deveria impedir que uma cidade fosse atingida por uma série de mísseis disparados por navios piratas. Para isso, deveria acertá-los com balas de canhão, disparadas no momento exato em que os mísseis estivessem ao alcance. O jogo exigia que o disparo fosse realizado em um espaço de tempo pequeno, mas, fora isso, não exigia grande destreza técnica. O objetivo deveria ser facilmente atingido por Rao, não fosse por um pequeno problema: o botão que disparava o canhão não estava em seu teclado, mas no teclado do computador de Andrea Stocco, do outro lado da Universidade.
Durante o experimento, no momento em que o canhão deveria ser disparado, Rao imaginou mover a mão direita. Quase instantaneamente, Stocco moveu seu dedo indicador direito de forma involuntária para apertar a barra de espaço no teclado em sua frente, disparando o canhão, acertando o míssil, salvando a cidade e demonstrando o sucesso da interface. Stocco comparou a sensação do movimento involuntário de sua mão a um tique nervoso. O resultado está publicado no site da Universidade de Washington.
Controle mental — Rajesh Rao afirma que foi emocionante — e assustador — assistir a uma ação imaginária de seu cérebro ser traduzida em uma ação efetiva por outro corpo. Mesmo assim, esse ainda seria o primeiro passo no desenvolvimento das interfaces cérebro-cérebro entre humanos. “Este foi basicamente um fluxo unidirecional de informações do meu cérebro para o dele. O próximo passo é estabelecer uma conversa de duas mãos entre os dois cérebros”.
Os pesquisadores dizem que a tecnologia pode ter várias aplicações no futuro, como permitir que alguém no solo controle os movimentos de uma pessoa a bordo de um avião cujo piloto está incapacitado. Ou permitir que uma pessoa com deficiência seja capaz de comunicar seus desejos, como pedir alimento ou água. Os cientistas deixam claro, no entanto, que a interface não poderá ser usada para desenvolver técnicas de domínio mental ou corporal. “Eu acho que algumas pessoas vão ficar nervosas com relação a isso, pois irão superestimar a tecnologia. Não há nenhuma maneira possível de ela ser usada em uma pessoa que não queira participar ou que não saiba que está participando”, afirma Chantel Prat.
Fonte: Revista Veja 
AnterioresWorkshop para terapeutas FAP – São Paulo/SP
SeguintesBebê tem consciência do meio similar ao adulto após 5 meses
Comporte-se
O Comporte-se: Psicologia e Análise do Comportamento foi criado em 2008 e é hoje o principal portal de Análise do Comportamento do Brasil. Nele você encontra artigos discutindo temas diversos à partir do referencial teórico da abordagem; dicas de filmes, livros, periódicos e outros materiais; entrevistas exclusivas; divulgação de cursos, promoções, eventos e muito mais.
COMPART.

COMENTE VIA FACEBOOK

DEIXE UM COMENTÁRIO