Breves Considerações sobre Esquizofrenia

6
Através da novela Caminho das Índias, de Glória Peres (excelente autora), e do personagem Tarso, interpretado por Bruno Gagliasso (excelente ator), chegou ao conhecimento do público o que é esquizofrenia e quais são os comportamentos característicos de quem é portador desta psicopatologia que até hoje é cercada de diversos mitos e mistérios.

Também pudera. Glória Peres e Bruno Gagliasso fizeram uma longa e cuidadosa pesquisa na montagem do personagem. Leram, conversaram e  conviveram com portadores de esquizofrenia para que, na novela, o papel fosse bem representado. Bruno Gagliasso tem em seu blog uma série de postagens a respeito da montagem do personagem, além de uns documentários interessantíssimos sobre a psicose.

Em uma reportagem no Fantástico, na qual foram também realizadas entrevistas com psiquiatras e portadores de esquizofrenia, Bruno conta um pouco sobre como foi montado o personagem.

Ele mostra de maneira clara alguns aspectos comuns aos contextos nos quais os ditos esquizofrênicos vivem: grande cobrança por parte de pessoas significativas (no caso os pais); hostilidade e punição severa quando não atinge o que é esperado; família que não consegue aceitar a doença (a mãe nega-a, o pai minimiza a situação); discriminação social; entre outros.

Mostra também diversos comportamentos característicos do esquizofrênico, tais como: delírios (pensamentos irreais); alucinações (percepções irreais); comportamento considerado estranho pelos outros que convivem com ele; fala desorganizada; grandes limitações ocupacionais; pobreza em habilidades sociais; pouco auto-cuidado; continuidade dos sinais da doença; entre outros.

Importante lembrar que não é condição sine qua non a presença de todos estes sinais para que uma pessoa seja considerada esquizofrênica. Quem quiser conferir de maneira mais detalhada os critérios diagnósticos, clique aqui.

Até hoje não se sabe as causas da doença. Existem, no entanto, grandes progressos no tratamento dela em Análise do Comportamento. Através da manipulação de contingências podem ser extintos comportamentos inapropriados (característicos da esquizofrenia) e ensinados comportamentos  apropriados (não característicos da esquizofrenia, como habilidades sociais, por exemplo).

O que se procura proporcioar ao esquizofrênico são mais situações como esta do vídeo abaixo (clique na imagem para assistir), onde comportamentos não relacionados a esquizofrenia são valorizados, especialmente por pessoas significativas na vida dele.

Discussão interessante que se iniciou em um chat no msn quando falávamos a respeito é que, o fato de a pessoa deixar de relatar delírios e alucinações, não quer dizer que ela tenha parado de delirar e alucinar. Ela pode continuar imaginando as mesmas coisas que antes – quando foi diagnosticada como esquizofrênica -, e ter parado de falar delas para não ser recriminada/ excluída socialmente.

 Porém, como saber o que a pessoa imagina se não através de seu relato? Se ela não dá sinais públicos (comportamentos observáveis) relacionados a esquizofrenia, não há como enquadrá-la no diagnóstico de esquizofrenia – portanto, não é esquizofrênica, até que existam comportamentos públicos relacionados a ela. 

COMENTE VIA FACEBOOK

6 COMENTÁRIOS

  1. Na minha opinião qualquer teoria e/ou abordagem psicológica ainda é muito vaga e genérica na tentativa de explicar a esquizofrenia. A realidade é q vários tentam, mas ninguém consegue satisfatóriamente. Eu já li que num ambiente coersitivo é muito mais provável que alguém com pré-disposição apresente os sintomas, porém, uma vez manifestados estes sintomas, mesmo com a mudança de ambiente, as chances destes sintomas serem reduzidos são minimas.
    Nem o behaviorismo nem qualquer outra abordagem entende direito essa doença que vai continuar sendo um grande mistério.

  2. Klavier, é verdade mesmo que a esquizofrenia tem sido um dos transtornos comportamentais mais difíceis de se explicar. O que os estudos tem mostrado, no entanto, é que ambiente controla e possível reduzir de frequência os comportamentos relacionados a esquizofrenia e aumentar outros comportamentos não relacionados a ela. Este procedimento, acompanhado de orientação a família, tem gerado resultados excelentes no tratamento dos portadores de esquizofrenia.

    Devo em breve postar aqui algumas pesquisas a respeito.

    Agradeço por participar.

DEIXE UM COMENTÁRIO